Arquivos . Lugares


segunda-feira, fevereiro 28, 2005

E já vão vinte...


Liedson marcou até agora 20 dos 50 golos do Sporting nesta SuperLiga. O Sporting está novamente na frente com 42 pontos. Tal como o Benfica e o Porto que hoje, como convinha, empataram.

Thank you for shopping at David Sylvian!

Dear Ricardo Gross,
Thank you for shopping at David Sylvian! We are happy to report that your order:
Akira Rabelais, Spellewauerynsherde, david sylvian, the good son vs. the only daughter, Harold Budd, Avalon Sutra - was shipped on 2/28/2005. To view further details regarding this order, please visit your order status page. Again, thank you for shopping with us.

David Sylvian



Eu é que agradeço, Mr. Sylvian!

Air ou Aeroc?


Lê-se Eye-rock!

Este resumo já diz muito:
«This lush, ambient record was amazingly crafted using only White's own acoustic guitar lines and his extraordinary sound formation and manipulation skills, although the listeners will swear they are hearing much more - recordings, organs, at least a drum kit. The plucks and strums of the acoustic guitar remains a recognizable component in only a few select tracks such as the album opener My Love, the Wave Break where it dances in an intricate pattern with the evolving shuffling beat and again on Mahy with it's rich melodic plucking over a warm ambient background. Tracks smoothly flow into one another with only the occasional drone or whispery soundscape as a transition giving the feeling that this record is moving in a intentional direction and not just an experimentation in sound creation.»

Bem-vindos ao som espectral da Ghostly!

Viscous solid parece-me que se decide não nas semelhanças mas nas diferenças. Decide-se não naquilo que se ouve primeiro mas no que se escuta depois. E isto também se aplica à própria ordenação dos temas que vão sendo cada vez melhores, ou então é a nossa familiaridade com a música que leva a pensar que é assim. Classificação fica para mais tarde: listening in progress. Mais informações no site oficial da editora.

Isto é digno de registo (1ª grande descoberta musical de 2005*)

ISTO...

Milosh - You make me feel (8/10)

«Mike Milosh (Toronto, Canada) makes optimistic music for pessimistic times on his debut album. Defeated hearts can lean steadily on his soulful futurism on his debut album You Make Me Feel. When Mike sings, "something good is going happen" you can't help but feel he's right. His melodic, electronic masterpieces are like blossoms unfolding in darkness. Even those songs seeded in sadness are lined with bright hope.
Mike Milosh expertly manipulates notes to take on fresh life. He's erased his classical music training in favor of unique self-construction. Throughout the album, light tones and static-clad drums roll under intricately treated vocals. His voice floats in on delicate waves that explode into exhilarating being.»
... só podia vir depois de Herbert, depois de Leila, depois de Dntel, depois de Postal Service, depois de Boards of Canada. Se estão familiarizados com alguma destas referências não deixem de ouvir You make me feel, de Milosh. Um belo disco de quase canções (algumas chegam e sê-lo de facto!) entre a eletrónica e o deep-house. Será isto o romantismo do séc. XXI?

* embora a data de edição seja Maio de 2004

Óscares 2005 - Vencedores e vencido


Better luck next time, Marty!

Million dollar baby/ Sonhos vencidos (4):
Melhor filme;
Melhor realizador (Clint Eastwood);
Melhor actriz (Hilary Swank);
Melhor actor secundário (Morgan Freeman);

The aviator/ O aviador (5):
Melhor actriz secundária (Cate Blanchett);
Melhor direcção artística (Dante Ferretti);
Melhor direcção de fotografia (Robert Richardson);
Melhor montagem (Thelma Schoonmaker);
Melhor guarda-roupa (Sandy Powell)

O grande vencedor da noite foi Clint Eastwood que triunfou pela segunda vez nas duas principais categorias. O grande derrotado foi mesmo Martin Scorsese que perdeu o seu quinto Óscar de realização. De resto foi uma das cerimónias mais desinteressantes de que tenho memória: com um inacreditável lote de péssimas canções e um prémio incompreensível para Charlie Kaufman, a fraude que se diz argumentista. Não há pachorra...
(lista completa dos prémios aqui)

domingo, fevereiro 27, 2005

Noite dos Óscares


É hoje, na TVI, a partir das 01h00 e pela noite longa dentro.
Que ganhem os melhores! Estes dois senhores, por exemplo.

sexta-feira, fevereiro 25, 2005

Jazz do futuro e campos magnéticos


Trapist - Ballroom (7/10) thrill jockey


Radian - Juxtaposition (7/10) thrill jockey

Aprovado pela exposição


Avalon Sutra is to be California-born American minimalist composer and pianist Harold Budd's last recorded work. Best known for his collaborations with Brian Eno, contributing his stunning piano work to key recordings such as 1980's Ambient 2: Plateau of Mirror, Budd has produced a series of remarkable minimalist compositions and recordings, including Pavilion of Dreams, The Pearl and The Room, which have earned him worldwide respect.
Avalon Sutra (released as a 2 disc set) is a suite of short, heartbreaking ambient pieces, featuring Budd's delicate piano improvisations, lush string arrangements and warm electronic drones. The second disc (As Long As I Can Hold My Breath) features a startling remix by LA based electronic composer Akira Rabelais, sending Budd's arrangements into Feldmanesque eternities of sound.
On this, Budd's valedictory release, he has created brief, snapshot like compositions, made all the more fragile and impermanent by his glistening piano work, Avalon Sutra has a bittersweet, autumnal quality the composer's trademark loveliness deepened and perturbed by the brevity of these pieces. If ambient music characteristically works to sustain a mood of intimacy, warmth, meditative ecstasy, such moods, which are certainly present in Budd's work, are never allowed to last too long on Avalon Sutra. There's a cumulative sadness and beauty to the way that these mood pieces linger briefly, stop and transform into something new. Budd's gorgeous, angular string arrangements amplify this feeling.
Avalon Sutra brings to a conclusion thirty years of sustained musical activity. Asked for his reasons, Budd says only that he feels that he has said what he has to say. With characteristic humility, he concludes, I don't mind disappearing!
VENDE-SE AQUI.

Passagem para Middlesbrough

Foi um jogo feio, trapalhão, há que admiti-lo. De belo teve apenas os golos (o "chapéu" imperial de Liedson e o "tiro" de canhão de Rochembach) e o domínio do Sporting nos primeiros 15 minutos do 1º tempo e na última meia-hora da 2ª parte - após a longa interrupção, o Feyenoord já apareceu duplamente derrotado: perdia por 0-1 (derrota desportiva) e assistia ao comportamento deplorável de alguns adeptos (derrota moral).
Encontrar o Middlesbrough na próxima eliminatória são óptimas notícias. Oxalá não me engane!

quinta-feira, fevereiro 24, 2005

Parabéns


Ulisses é o melhor de todos os discos que Cristina Branco já gravou. É aquele que melhor traduz o conjunto dos seus interesses nas músicas do passado (José Afonso, Joni Mitchell... fado e MPB) e do presente (os originais que para ela compõe Custódio Castelo, virtuoso da guitarra portuguesa). As interpretações de Cristina Branco são também de uma sensualidade cada vez mais subtil - quanto mais caladas mais intensas. E ela mostra que pode ir aos quatro cantos do mundo com o domínio impecável de vários idiomas. Ulisses é um trabalho que teve origem no bom gosto da recolha de temas - originais e não-originais - cantados por uma voz cada vez mais pessoal e inconfundível. O resultado dá gosto. Parabéns!

quarta-feira, fevereiro 23, 2005

'I suppose, when I think of it, that all of us Waughs only became writers to impress our fathers'


Auberon Waugh (Papa)

Six months later the stage musical that my brother and I had been labouring over for goodness knows how long at last went into rehearsal in Notting Hill Gate. Papa was immensely enthusiastic but he knew his time was running out. ‘If I should die in the middle of the run, you will carry on, won’t you?’ he asked. He was relieved to make it to the second performance and came once more before the final collapse.
I intimated at the start that when he said to me on his deathbed, ‘Everything’s going to be dandy,’ I was irritated at the vanity of his words, but now, with the benefit of hindsight, I think I know what he meant. Perhaps it is too quaint to suggest that he held on just long enough to see Bon Voyage! But I happen to believe that to be the case. It was no matter of chance that his last published words should have been a short warm vote of confidence in his two sons. It was published under the title ‘Hope for the Country’ in his Way of the World column on 16 December 2000 just a month before he died (…) I know that A. N. Wilson and V. S. Naipaul are not alone among serious writers in believing Papa to have been greater in stature than his father. I am not inclined either to agree or to disagree with them but am proud of both and believe that the legacy of each complements the other. Papa was philosophically far more stable than his father, his writing less arch. I also think he was a nicer man. Like Evelyn, he believed this world to be a ‘vale of tears’ but his constitution was stronger than Evelyn’s and he saw no reason to relapse because of it into blank depression, drunkenness or rage. Despite his unique cleverness, originality and humour he was, at heart, a man of simple convictions: ‘I would be surprised,’ he once wrote, ‘if there is any greater happiness than that provided by a game of croquet played on an English lawn through a summer’s afternoon, after a good luncheon and with a reasonable prospect of a good dinner ahead.’
(…) I am honoured to be his pale shadow.

Alexander Waugh, Fathers and Sons págs. 450/452

Projecto Paulo Francis (Letra O)

OSWALD, LEE HARVEY: Kennedy era bonito, rico, inteligente e tinha uma visão do mundo republicana, em que a excelência de realizações e a liberdade predominassem. Aí está o motivo de Lee Harvey Oswald para matá-lo. Ele era o fracasso, o anêmico, meia bomba sexual, o ressentido por excelência que, nos anos 30, seria nazista ou comunista fanático. Nos anos 60, auge da sociedade de consumo, em que se comprava um rifle pelo reembolso postal, o ato significativo era matar o príncipe, acabar com todos os príncipes. É uma catarse.
(O Estado de S. Paulo, 1/3/92)

terça-feira, fevereiro 22, 2005

WAVE GOODBYE


SAY HELLO


Aquilo que faz um bom colunista (4º parágrafo)

A columnist ought to have known, and know, a huge range of people, from the humble right up to the top. He who claims an extensive acquaintance with the common man or woman skates on thin ice, and I do not advise a display of demotic knowledge. Taxidrivers should never be quoted, at any rate on politics. On the other hand, gardeners can be put to use and, with skill, built up into a serviceable stock character – not to be brought in too often however. Kingsley Martin made splendid use of his Sussex gardener for over a quarter-century, employing him to impart wisdom and comment covering a much wider ground than mere horticulture. I have quoted gardeners myself – and their dogs, for that matter. Cleaning women I do not advise. Butlers or valets are taboo, even if you have them. On the other hand, it is often convenient to have a well-informed and sensible detective-sergeant on tap: crime and criminals play a necessary part, these days, in a well-regulated column read by the middle classes. Personally I like to bring in an observant and well-connected foreigner to produce an outsider’s view of English mores, especially if the language can be made quaint and amusing – I often employ Lady (Carla) Powell for this purpose. Quoting the great, the good and the bad is sometimes necessary but is always risky. Of course the columnist ought to know personally the principal rulers of the day, and if possible anyone else who is in and out of the news. But awareness of this extensive and grand acquaintance ought to filter through to the reader, as it were by accident, and should never be baldly claimed. Name-dropping is fatal to the good column. The sad example of Ali Forbes, Britain’s Name-Dropper-in-Chief, ought to be in all our minds. But I like a name or two in each piece. Good journalism is always about people. An argument, an impression, is always more effective if it is pointed up by real men and women, cited or quoted or exemplified. And brush such characters in with an adjective or two, to bring them to life and persuade the reader that they are or were real persons to you, not just celebrities. (...) a continuar...

Paul Johnson, The Art of Writing a Column

segunda-feira, fevereiro 21, 2005


Este homem é um profissional


E como tal acompanhou a noite eleitoral, em local próprio, até que os últimos resultados fossem apurados. Aos de dentro ou de fora que mostrem desconsideração pelo profissionalismo de Einhart da Paz, volto-lhes as costas!

E agora?

Desígnio nacional: o fim da carreira política de Santana Lopes é só uma questão de...
1) Segundos?
2) Minutos?
3) Horas?
4) Dias?
5) Meses?
6) Anos?
7) Séculos?
8) Milénios?

domingo, fevereiro 20, 2005

O meu voto

Já que tenho fama de "reaccionário", o meu voto vai para o Partido em que estão a Pensar...

Leiria - Sporting

Estive em relação ao jogo como o próprio jogo acabou por ficar: a zero. Não se pode ve(ence)r sempre.

sábado, fevereiro 19, 2005

Dia de reflexão


Classificação: (7/10)
Com um pouco menos de idealismo - na prática moderar o personagem de Kathy Bathes (Libby) - seria uma sátira ainda mais corrosiva. É muito bem escrito (Elaine May) e tem um cast impecável.

sexta-feira, fevereiro 18, 2005

Obrigado, Mestre!


Q: A Warner começou por se recusar a financiar este filme. Mas depois destes anos todos e de tantos filmes feitos com eles, não tem carta branca na Warner?
A: Recusaram porque queriam fazer disto um filme de boxe, mas eu vi a coisa de outra maneira. Não é sobre um homem mais velho apaixonado por uma mulher mais nova. É uma relação pai-filha. É sobre um pai que anda à procura da filha, um pai que encontra a filha que nunca teve num momento em que nem sequer estava à procura dela. É sobre pessoas na periferia da sociedade que só estão interessadas em viver se lhes for dada a oportunidade de perseguir o sonho que tiveram para a vida delas. Para mim nunca foi sobre boxe. É uma grande, grande história de amor.

Clint Eastwood entrevistado por Rui Henriques Coimbra para a revista Única do Expresso.

Eu não vos disse que percebia este homem? É como se eu já fosse uma extensão dos seus próprios filmes. Criado em casa mas formado por eles.

Aquilo que faz um bom colunista (2º e 3º parágrafos)

No columnist will survive long without being to some extent a man or woman of the world. In theory a column can be written by an innocent and unworldly bystander, who makes a point of being out of it and not knowing what is going on. Given great literary ingenuity, this will do for a time, as a novelty or a journalistic paradox. But readers will not long be amused by someone even less well-informed than themselves or who merely mirrors their own vacuity. It is true that a columnist can, as it were, place himself in voluntary exile, and affect to survey society with disinterested detachment. J.B. Priestley in the 1950s wrote an admirable series of essays in the New Statesman called “Thoughts from the wilderness”, in which he criticised modern society from the viewpoint of a man, like Cicero, who had retired from the great game in London to his country estates, to sit things out for a while. But this only works if, like Priestley, you have once been in the thick of events, and intend to be so again.
Knowledge is composed of many things. Worldliness, of course: knowing how prime minister conducts a Cabinet meeting or how the Booker Prize is awarded or why invitations to Mrs –'s luncheons are eagerly sought, while Lady –'s parties are ill-attended if something better is on offer. A columnist should have travelled far, especially to those key places which constantly crop up in the news and conversation. He should be familiar with Paris and New York and Rome and Venice, and have visited all the rest at least once. He needs to be able to distinguish a genuine exotic from a mere travel agent’s brochure material. Languages do not matter – it is the columnist’s job to speak, write and understand English to perfection – but if he insists (on what must be rare occasions) on using foreign words, he must get them right. (...) a continuar...

Paul Johnson, The Art of Writing a Column

A paternidade* é a questão


Pai e "filha". Protector e protegida. Clint Eastwood (Frank) e Hilary Swank (Maggie)

Million dollar baby é sobre um tipo de quem não conhecemos a história, mas que por qualquer razão cortou relações com a filha que continua a não querer saber dele. Entretanto, uma segunda figura feminina jovem entra na sua vida. A substituta do amor filial. O objecto de amor paternal. E se o primeiro caso terá sido uma ocasião desperdiçada, agora será uma paternidade sacrificada. A história de Million dollar baby é a tragédia calada de um homem que perde duas oportunidades na vida: uma por responsabilidade própria, a segunda por misericórdia. Duas vezes perdedor é duro, mais duro do que Clint Eastwood alguma vez foi.

* Qualidade de pai. Tema central de Poder absoluto, Um mundo perfeito e em certa medida também de Um crime real, para me deter apenas nos títulos da filmografia mais recente de Clint Eastwood.

Prestar vassalagem é bonito


Este homem que um dia acabou com toda a mitologia do western ao seu redor, acaba de enterrar também o "sonho americano". Paz às nossas almas.

Million dollar baby (toda a vida tem um preço)

A vida como um combate de boxe. Só no final sabemos quantos rounds teve. Quantos rounds e quantos combates tivemos que fazer. As vezes que nos levantámos do tapete e os momentos de desistência.
Uns nasceram para vencer, outros para perder. Saber para o que nascemos é uma dúvida que nos condena até ao fim. Se perdermos a esperança em nós, ajuda a viver acreditarmos noutra coisa. De preferência numa outra pessoa. Por exemplo, num filho.

Harry todo misericordioso


De que servem os Óscares para quem já subiu ao Céu?

Quando há cerca de dez anos Clint Eastwood fez Imperdoável, Unforgiven, filme poderoso, a Academia cobriu-o de Óscares. O que fazer agora quando a cada novo filme mais cavado fica o fosso que separa Eastwood de tudo o resto que se faz hoje no cinema? Como reconhecer com prémios os méritos deste Million dollar baby, Sonhos vencidos que aponta às cordas e ao tapete de um ringue de boxe e que atinge o sublime?
Não se distraiam do essencial: este extraordinário filme conta sempre a mesma história, do princípio ao fim. A certa altura somos levados a pensar de modo diferente, mas é sempre a mesma história, de uma só pessoa, de um único indivíduo. Apesar de ser como é, não há plano algum que não esteja carregado com a natureza humana do mundo inteiro. Uma natureza que começa por ser doce como o merengue para se ir cobrindo de camadas cada vez mais amargas de limão – a metáfora está lá, não fui eu que a inventei.
Million dollar baby, Sonhos vencidos pára-nos o coração, gela-nos o sangue e interrompe-nos de caminho mais algumas funções vitais. Deixa-nos incrédulos face ao reconhecimento em nós de emoções humanas, demasiado humanas. Não sei se os filmes deviam ser todos assim. Mas filmes como este são cada vez mais raros. Aliás, só existe uma pessoa, um indivíduo, com a capacidade de filmar deste modo. Começou por se chamar Dirty Harry, e agora é Clint todo poderoso. Aqui também todo misericordioso.

Classificação: (10/10)

quinta-feira, fevereiro 17, 2005

Aquilo que faz um bom colunista (1º parágrafo)

(…) What makes a good columnist? In my view there are five essentials. The first is knowledge. I am not saying that a columnist ought to be a walking encyclopaedia. Far from it. Nothing is more tedious than a man crammed with knowledge – especially facts – who is anxious to unburden his treasure on you. Some of the greatest bores are knowledgeable men. (Interestingly enough, women do not bore you with facts, more with opinions: I do not know of any woman columnist who crams too many facts into her offerings – the weakness of the sex is to supply too few.) But he who ventures to write a column must know a great deal, on a wide variety of subjects. His knowledge, however, should be stored and classified, kept up to date and dusted down regularly, but called on only sparingly, in small quantities, exactly according to the need of the piece. The good columnist’s knowledge should be like a vast cellar of fine wine, cool and well kept, constantly maturing and periodically replenished as fresh vintages become available. He invites the reader in to sip and to taste, in sufficient quantity to appreciate the quality of the wines available. But he never presses his guest to drink more than a glass on each occasion, so that these visits to his cellar retain their freshness and pleasure. But equally, no reader should be allowed to pass without knowledgeable hospitality, be it ever so slight. I feel I have been short-changed if I finish a column without acquiring some useful or interesting or unusual little nugget – something I did not know and am glad to know. (…) a continuar…

Paul Johnson, The Art of Writing a Column

Sincericídio


Pierre Girieud, Adam et Eve chassés du paradis (1907)

«Propaganda política não é só o que a gente acompanha na imprensa, no rádio, na televisão. Ela pode assumir muitas outras formas. Uma viagem para participar de um comício. Uma inauguração de uma obra. Um programa social. Uma campanha de vacinação. Um trecho de um livro didático. Um patrocínio de um evento cultural. Tudo é manipulado pelos políticos. Tudo é pago por nós. Por um preço alto demais. Entre o que se gasta em propaganda oficial, mais o que se gasta em propaganda camuflada, mais o que se gasta em empreguismo eleitoreiro, mais o que se gasta em corrupção para financiar a propaganda, a política acaba custando mais do que educação e saúde. Um exemplo: o Brasil tem 5 mil e tantos municípios. Boa parte não consta com receita própria. Funciona apenas como curro eleitoral. Pagamos o salário e a aposentadoria de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores cuja única função é arrebanhar votos para os caciques locais. Ou seja, pagamos para que façam propaganda.
Diminuir a presença dos políticos na vida nacional só traria benefícios. Eu tenho algumas sugestões. Fechar as televisões públicas. Vender Petrobras, Eletrobrás e Banco do Brasil. Abolir toda a propaganda política, paga ou gratuita, exceto no período eleitoral. Cortar pela metade o número de municípios. Proibir os políticos de possuir qualquer forma de concessão pública. Limitar com rigor os gastos das campanhas.
Quanto menos os políticos aparecerem, melhor.»

Diogo Mainardi, A Tapas e Pontapés – Crônicas, pág. 91

Windows Messenger


Que bom seria se o meu estado fosse sempre este...

(2-1) Vamos passar porque a 2ª mão é no meu aniversário


Reagimos bem à desvantagem e podíamos ter resolvido a eliminatória ainda na 1ª parte. O SPORTING só deixou de ser superior quando Custódio foi expulso. Perderam-se muitas oportunidades até aí. Os holandeses também desperdiçaram alguns golos feitos. Parabéns à equipa do Feyenoord por ter vindo disputar o jogo pelo jogo. Será um digno vencido na próxima 5ª feira. Até consigo prever já o resultado da 2ª mão que será um empate. Não me peçam é mais do que isto.

quarta-feira, fevereiro 16, 2005

Pequeno Vade-Mécum (Letra C)

COXA: Em Itália há um provérbio que diz que, quem não se deitou com uma coxa, não conhece Vénus em toda a sua doçura. (…) Diria que o movimento desmanchado da coxa acrescentaria algum novo prazer à tarefa (…), mas acabo de saber que mesmo a filosofia antiga* se pronunciou sobre isso: ela diz que, uma vez que as pernas das coxas não recebem (…) o alimento que lhes é devido, as partes genitais, que estão acima, são mais cheias, mais nutridas e vigorosas. (…) Pela simples autoridade deste adágio, fui levado a crer uma vez que tinha obtido mais prazer com uma mulher que não era direita… (III, XI) Montaigne
(*) Aristóteles

Homem a dias

Quando me vê na rua, pede-me dinheiro e desculpa. Não sei se a história dele é típica. Atípica é a forma como se culpa pela caricatura da sua vida.*

Encontrei-me com um viciado em heroína. O viciado em causa foi, há uma dúzia de anos, meu companheiro de jogos de futebol. Nesses tempos, ele tinha bom aspecto, dois carros, casa, um bar na praia, uma mulher linda e uma filha idem. Agora, possui exclusivamente uns 40 quilos, um casaco no limiar da indigência e o rosto verde. Quando me vê na rua, pede-me dinheiro e desculpa. Não sei se a história dele é típica. Atípica é a forma como se culpa pela caricatura da sua vida. O discurso habitual dos utilizadores, influenciado por toneladas de “especialistas”, responsabiliza a droga; o “meu” viciado responsabiliza-se a si próprio. Apetecia-me acrescentar: já é um princípio. Mas um princípio de quê? Hoje, ele disse-me: “Eu acho que estou a morrer.” E eu olhei-o e não duvidei por um instante de que ele está a morrer, seja lá do que for. Dei-lhe a quantia que me pedira e despedi-me, cumprimentando-o. Em seguida, vim para casa, lavei as mãos e, cheio de uma inexplicável vergonha, escrevi isto. (Autodesprezo, precisa-se, Sábado 11 Fev. 2005)

Obs. Gostava de poder chamar de posts a alguns textos que o Alberto tem publicado fora do Homem a dias. Será que posso?

* Uma, duas, três frases encadeadas definem um grande prosador.

terça-feira, fevereiro 15, 2005

Azul no branco


It is big and purple and in your pursuit of truth and great ideas it will be your Bible, your atlas, and your companion.
Hoje firmei um contrato com a minha formação política à séria. Se depender do tutor, o sucesso está garantido.

segunda-feira, fevereiro 14, 2005

Daltonismo


Será que tem cura?

VOTA CLINT EASTWOOD


E que ninguém me diga que este não é o grande acontecimento da semana.

O exemplo que vem de Moyes


David Moyes quer dizer fairplay

TÉCNICO DO EVERTON ADMITE
Afinal, Beattie foi bem expulso
Afinal, o avançado James Beattie foi bem expulso no Everton-Chelsea (0-1), no jogo de anteontem à tarde para o campeonato inglês, depois de dar uma cabeçada em Gallas. Quem o confirmou foi o treinador David Moyes que, no final do referido jogo, não havia concordado com a decisão do árbitro Mikey Riley.“Os meus comentários depois do jogo não foram justos. Depois de ver tranquilamente o vídeo do jogo, percebi que, de facto, o Beattie agrediu Gallas e merecia, por isso, ver o cartão vermelho. O próprio Beattie falou comigo, pediu desculpas e fez o mesmo com os colegas de equipa e adeptos”, referiu Moyes no "site" oficial do Everton.
Data: Segunda-Feira, 14 de Fevereiro de 2005 01:15:00

Actuam? Seguem-se? Está bem, e porque não foi também convidado este senhor?


Recital de Guitarra
Palácio Foz Lisboa

No encerramento da Semana da Guitarra Clássica, que decorre na Sala dos Espelhos do Palácio Foz, os músicos Eduardo Martín, de Cuba e H. Villa-Lobos [1887-1959] , do Brasil, actuam na primeira parte de um concerto agendado para as 18.30. Seguem-se os mexicanos Júlio César Oliva e Manuel M. Ponce [1882-1948] (…)

Notícia do GUIA DN de hoje
os bolds do ridículo são meus

Crises de meia-idade


Louise (Laura Linney, luminosa) é uma bela mulher de 39 anos. Deixou há muito de ser uma adolescente como aquelas que observa na escadaria da Universidade a namorarem. Louise está divorciada do seu melhor amigo, Peter (Gabriel Byrne). E a sua melhor amiga (Missy, Marcia Gay Harden) conta-lhe fantasias com que pretende encornar o marido. Do meio de todo este amontoado de crises de meia-idade que é P.S., ouve-se o relógio biológico de Louise que começa a andar… para trás. Louise vai viver nova paixão por um aluno que ela pensa ser a reencarnação do seu primeiro amor, F. Scott (Topher Grace, espécie de Campbell Scott com metade da idade deste). Aquele que se mantém intocado na pureza da sua recordação.
Depois de Rodger Dodger, imagino que ninguém apostaria que Dylan Kidd fosse partir para um filme assim. P.S. é uma espécie de filme místico que recusa o misticismo da história – a partir de um livro de Helen Schulman. É como se Dylan Kidd quisesse fazer um filme contra o livro que ele e a escritora adaptaram em conjunto. No final, em que é que ficamos? Obviamente que muito próximos da implausibilidade e do disparate. A não ser que a ideia de P.S. fosse a de fazer-nos rir…

Classificação: (3/10)

Foram cinco fora os ameaços


Ou como uma grande penalidade bem assinalada no momento certo pode definir a sorte toda do jogo. JACKPOT.

domingo, fevereiro 13, 2005

Se é para aprender é bom que seja com os melhores


As lições dos mestres, George Steiner, Gradiva

aprox. 160 páginas. É como eu gosto.

sábado, fevereiro 12, 2005

O fabuloso dr. Kinsey


A motivo pelo qual suspeito não tenha gostado tanto assim do filme de Bill Condon, tem a ver com o facto de este se debruçar de tal forma sobre o seu tema – o sexo – que acaba sendo pouco profundo no que diz respeito ao homem, o Kinsey do título. Kinsey, Relatório Kinsey é uma obra demasiado obcecada com o cientista do mesmo modo que este era obcecado com o objecto do seu trabalho. Mas sobre o homem não vai além de uma fachada que cumpre propósitos de moderada exigência. Sendo um filme que aborda uma questão da intimidade de todas as pessoas (assim espero!), pouco dá a ver e sentir sobre a natureza humana: os factos, os números, as estatísticas acabam por preencher o espaço quase todo. Ainda assim, Kinsey revela-se um objecto competente e interessante.

Classificação: 6/10

Sporting de Braga


Equipa que joga de forma tão determinada com qualquer um dos não tão grandes assim é candidata ao título e o resto é bola.

Noia


Nunca pensei vir um dia a escrever isto, mas hoje a música de Caetano Veloso causou-me enjoo.

de Sousa


"O suicídio é nobre." Como te compreendo bem amigo João.

Para ler tudo é preciso comprar o jornal

O Nuno Costa Santos fez uma entrevista de 6 (seis) páginas ao João Pereira Coutinho na Capital, que um blogue novo - O Sinédrio, sejam bem-vindos! - fez questão de destacar. Só tenho a dizer pois que muito obrigado a todos.

sexta-feira, fevereiro 11, 2005

É tão difícil...

SIMPLICIDADE (Luís Fernando Veríssimo)
Quando tinha 14 anos, esperava ter uma namorada algum dia.

Quando tinha 16 anos tive uma namorada, mas não tinha paixão. Então percebi que precisava de uma mulher apaixonada, com vontade de viver.

Na faculdade saí com uma mulher apaixonada, mas era emocional demais. Tudo era terrível, era a rainha dos problemas, chorava o tempo todo e ameaçava de se suicidar. Descobri que precisava uma mulher estável.

Quando tinha 25 encontrei uma mulher bem estável, mas chata. Era totalmente previsível e nunca nada a excitava. A vida tornou-se tão monótona que decidi que precisava de uma mulher mais excitante.

Aos 28 encontrei uma mulher excitante, mas não consegui acompanhá-la. Ia de um lado para o outro sem se deter em lugar nenhum. Fazia coisas impetuosas, paquerava com qualquer um e que me fez sentir tão miserável quanto feliz. No começo foi divertido e eletrizante, mas sem futuro. Decidi buscar uma mulher com alguma ambição.

Quando cheguei nos 31, encontrei uma mulher inteligente, ambiciosa e com os pés no chão. Casei com ela. Era tão ambiciosa que pediu o divórcio e ficou com tudo o que eu tinha.

Hoje, com 40 anos, gosto de mulheres com bunda grande...
E só! Nada como a simplicidade...

Obs. Devo a descoberta deste texto à coluna do prof. Carlos Amaral Dias no Independente.

A queda


Como diariamente, um gajo pacato compra os jornais antes de tomar o pequeno-almoço, no sítio do costume, e eis que hoje lhe tomba no colo o bigodaças do Camilo Castelo Branco. Promete reencontros quinzenais, em edições cuidadas e sérias (podemos sempre despir a sobrecapa), para o desfrute da língua portuguesa com elevado teor de acidez. O pacato cidadão, conhecido pelo seu impulso consumista, vacila perante a hipótese do contrato "sem compromisso!" Avança, não avança... a que ritmo evoluirá nas suas leituras? Compromissos destes sempre foram o cabo dos trabalhos.

Que inveja

O dicionário de bolso de Paris do Eduardo é um must, um plus qualquer coisa assim.

Jonathan's jukebox


Jonathan Caouette
Como videasta não presta. Mas como deejay vai longe. Donde se prova que os homossexuais têm óptimo gosto musical.

Alinhamento:
Laser beam – Low;
Naked as we came – Iron & Wine;
Wichita lineman – Glen Campbell;
Reptile – Lisa Germano;
Ice pulse – Cocteau Twins;
The ballad of Lucy Jordan – Marianne Faithful;
Diviner – Hex;
Strange powers – Magnetic Fields;
Lil Bitty pissant country place – Dolly Parton;
Around & around – Red House Painters;
Back home again – Low;
How many times – Mevis Staples;
It’s all over now baby blue – Chocolate Watch Band.

Haverá banda-sonora para venda? Wrong answer.

quinta-feira, fevereiro 10, 2005

Bizarro triângulo amoroso


Os vértices deste triângulo que é Tarnation são Jonathan Caouette, a sua mãe Renee LeBlanc e uma câmara de vídeo: ou melhor, todas as câmaras que Jonathan usou sucessivamente para registar a sua vida desde os 9 anos de idade. O resultado é a exibição dos cacos de uma família disfuncional americana – os supostos abusos dos avós sobre Renee, a esquizofrenia desta tratada com electrochoques e a máxima autocomplacência de Caouette que pretende justificar a organização alucinada da sua autobiografia num charro fumado na adolescência (continha PCP, o que quer que isso seja...) que lhe deu a volta ao miolo: a partir desse momento, Jonathan não mais se conseguiu concentrar, passando a ser uma espécie de espectador da sua própria existência. A linguagem que se observa em Tarnation é de uma originalidade muito apregoada mas muito pouco consistente: é Jonas Mekas cruzado com o estilo MTV late at night. É o mesmo que fazer zapping pelos canais de cabo norte-americanos às 5 da madrugada. Quanto mais bizarro, melhor. Os propósitos artísticos do filme de Caouette, a sua verdade, agradecem. E o espectador menos dado a este tipo de imposturas, embrutece, mais e mais enfiado na cadeira da sala. Único consolo: gays have great taste in music. That’s a fact.

Base de licitação


Uns meros 4,7 milhões de Euros, para início de conversa. Se estiverem para aí virados, informem-se aqui. E aqui.


Lucien Freud, Naked Portrait 2002

Projecto Paulo Francis (Letra N)

NAIPAUL, V.S.: Naipaul, de ascendência indiana, nascido em Trinidad e educado em Oxford, Inglaterra, escreveu dois livros devastadores sobre a Índia: Uma área de trevas (1964) e Índia, uma civilização ferida (1977). Naipaul é um tesouro cultural e um dos maiores escritores vivos. Em O enigma da chegada, uma longa meditação sobre sua estada numa casa de campo inglesa, reconhece que suas entranhas não se adaptam ao clima, físico e espiritual, da civilização britânica. Mas, claro, não pode voltar ao primitivismo indiano. Tenta um meio-termo de acomodação, mas a arte conferiu a ele uma nobreza que transcende acidentes étnicos. Não lê-lo é uma privação cultural (O Estado de S. Paulo, 6/1/91)

para o José Flávio Teixeira

Ma-Schamba

Quero agradecer ao Ma-Schamba a referência repetida que fez a este blogue. E confirmar uma partilha de interesses que vai além do óbvio consensual: o Sporting, pois claro.

Hoje com o Público


Até que futuros visionamentos provem o contrário, este é o filme de Orson Welles de que mais gosto. Trata-se de uma obra truncada, quem diria?

A paixão de Vera Drake


Londres, 1950. Tudo é glauco, triste, desolador. A excepção é Vera Drake, mulher de grande coração (tem um coração de ouro, reconhece o marido) que acode aos necessitados do bairro: os doentes, os pobres, os incapacitados e as jovens que se vêem face a uma gravidez indesejada. Vera Drake leva a todos compreensão e generosidade. Pelo que a sua ausência é bem “visível” no último plano do filme que nos mostra uma família, a família de Vera Drake, apática, quase estática. À espera… Mike Leigh faz com Vera Drake um filme à Aki Kaurismaki mas sem o sentido de humor deste: um dramalhão de câmara, não uma tragicomédia. Na segunda metade, quando a polícia bate à porta dos Drake, o mesmo entra no registo Lars von Trier mas também não o de Ondas de Paixão (a minha suspeita inicial), antes o do falhado Dancer in the Dark – tal como von Trier vampirizava o rosto de uma Bjork desfigurada, Mike Leigh explora o calvário da sua adorável abortadeira com requintes de malvadez. O filme tem uma expressividade digna do cinema mudo: os rostos de Mike Leigh são de novo invulgares (“freaks”). Só que o que Dreyer transmitia com o rosto da sua Joana D’Arc era imagem pura, não tinha o som (choro, soluços, voz titubeante) que acrescenta realismo e torna tudo mais insuportável. É como se Mike Leigh quisesse despertar em nós uma consciência qualquer, recorrendo à crueldade do grande plano. Vera Drake que até aí tinha evitado habilmente o programa despenalizador, do tipo “todo o aborto é uma decisão difícil para qualquer mulher”, apresentando uma galeria de vítimas mais sofridas do que indiferentes que faz justiça à complexidade do tema, deita tudo a perder ao querer fazer arte, ao querer narrar a “paixão” de Vera Drake, sacrificada às mãos da justiça ao som de epifanias corais. O que não se perdoa a Mike Leigh é ter trocado a dignidade da sua personagem pela exposição gratuita do sofrimento dela.

quarta-feira, fevereiro 09, 2005

Quadro de estrela


(…) De repente, um susto. A imagem turva-se, o som abafa-se. Aparece na tela um rapazito de collants, que fala como se tivesse saído de uma operação à laringe que correu mal. Em volta do rapazito, outros sujeitos, também de collants. Ninguém se move. Penso: olha um anúncio de lingerie para gays. E em português. Penso mal: logo surge o Luís Miguel Cintra. Com cabeleira, mas é o Luís Miguel Cintra. Começo a temer o pior. Suspendo a respiração e espero pelas letras: “O Quinto Império – um filme de Manoel de Oliveira”. Na sala, os espectadores riem. No fim-de-semana seguinte, o Expresso babava admiração pela “obra” e despachava-a a cinco estrelas.
Pelo menos em Portugal, há tradições que não morrem: a violenta indigência do “cinema” pátrio, o mito de Oliveira, as relíquias da crítica cinematográfica, o compadrio e a completa, quase meticulosa ausência de ridículo. Em princípio, as tradições deviam reconfortar. Estas apavoram. Às vezes, nem em casa uma pessoa se sente segura.
Alberto Gonçalves (O convento do boato, Sábado, 4 de Fev.)

Tinha saudades de o ler assim. Cinco estrelas!

NOTA: Não vi este filme de Oliveira. Se a média de um/ dois filmes por semana se mantiver, não penso ir vê-lo.

Uma coisa leva sempre a outra coisa...

A revista Sábado apresenta esta semana uma curta mas preciosa entrevista com Diogo Mainardi. Transcrevo a última questão:

Escreveu um texto na Veja (O meu pequeno búlgaro) sobre o seu filho, que sofre de paralisia cerebral. Incomoda-o que lhe falem sobre o assunto?
É o meu assunto predilecto. Se pudesse, só falaria sobre ele.

Meu pequeno búlgaro
Diagnosticaram uma paralisia cerebral em meu filho de 7 meses. Vista de fora, uma notícia do gênero pode parecer desesperadora. De dentro, é muito diferente. Foi como se me tivessem dito que meu filho era búlgaro. Ou seja, nenhum desespero, só estupor. Se eu descobrisse que meu filho era búlgaro, minha primeira atitude seria consultar um almanaque em busca de informações sobre a Bulgária: produto interno bruto, principais rios, riquezas minerais. Depois tentaria aprender seus costumes e sua língua, a fim de poder me comunicar com ele. No caso da paralisia cerebral, fiz a mesma coisa. Passei catorze horas por dia diante do computador, fuçando o assunto na internet. Memorizei nomes. Armazenei dados. Conferi estatísticas. Pelo que entendi, a paralisia cerebral confunde os sinais que o cérebro envia aos músculos. Isso faz com que a criança tenha dificuldades para coordenar os movimentos. Meu filho tem uma leve paralisia cerebral de tipo espástico. Os músculos que deveriam alongar-se contraem-se. Algumas crianças ficam completamente paralisadas. Outras conseguem recuperar a funcionalidade. É incurável. Mas há maneiras de ajudar a criança a conquistar certa autonomia, por meio de cirurgias, remédios ou fisioterapia.
Um dia meu filho talvez reclame desta coluna, dizendo que tornei público seu problema. O fato é que a paralisia cerebral é pública. No sentido de que é impossível escondê-la. Na maioria das vezes, acarreta algum tipo de deficiência física, fazendo com que a criança seja marginalizada, estigmatizada. Eu sempre pertenci a maiorias. Pela primeira vez, faço parte de uma minoria. É uma mudança e tanto. Como membro da maioria, eu podia me vangloriar de meu suposto individualismo. Agora a brincadeira acabou. Assim que soube da paralisia cerebral de meu filho, busquei apoio da comunidade, entrando em tudo que é fórum da internet para ouvir o que outros pais em minha condição tinham a dizer sobre os efeitos colaterais do Baclofen ou sobre a eficácia de tratamentos menos ortodoxos, como a roupa de elásticos dos astronautas russos usada numa clínica polonesa.
A paralisia cerebral de meu filho também me fez compreender o peso das palavras. Eu achava que as palavras eram inofensivas, que não precisavam de explicações, de intermediações. Para mim, o politicamente correto era puro folclore americano. Já não penso assim. Paralisia cerebral é um termo que dá medo. É associado, por exemplo, ao retardamento mental. Eu não teria problemas se meu filho fosse retardado mental. Minha opinião sobre a inteligência humana é tão baixa que não vejo muita diferença entre uma pessoa e outra. Só que meu filho não é retardado. E acho que não iria gostar de ser tratado como tal.
Considero-me um escritor cômico. Nada mais cômico, para mim, do que uma esperança frustrada. Esperança frustrada no progresso social, na força do amor, nas descobertas da ciência. Sempre trabalhei com essa ótica antiiluminista. Agora cultivo a patética esperança iluminista de que nos próximos anos a ciência invente algum remédio capaz de facilitar a vida de meu filho. E, se não inventar, paciência: passei a acreditar na força do amor. Amor por um pequeno búlgaro.

Texto da Revista Veja.
Autor: Diogo Mainardi

Elos perdidos

Desta vez foi a lista de ligações do fim de página que desapareceu sem motivo aparente. A minha tinha sido criada a partir de uma estrutura copiada de outro blogue. Terá sido rejeitada? Esta dimensão orgânica da Internet causa-me apreensão: tudo está à vista e é lindo, mas também pode desaparecer num instante... assim

Os homens e a boa vontade


PAZ?

See no evil, hear no evil, speak no evil


O mordomo que lia histórias de amor

Em Remains of the day, Despojos do dia (1993), Anthony Hopkins tem aquela que será até hoje a sua melhor composição no cinema: e não esqueço o Dr. Hannibal Lecter do filme de Demme.
Mr. Stevens, o fiel mordomo de Lorde Darlington (James Fox, who else?), é aquele que nada vê, nada fala e nada pensa. Mais tarde, fruto da sua ingenuidade política, Lorde Darlington acabará sendo conivente com a ascensão Nazi e isso contribui para que caia em desgraça perante o país. Mr. Stevens acabará ao serviço do novo dono da mansão Darlington, um milionário americano chamado Lewis (o saudoso “super-homem”, Christopher Reeve), e viverá também ele a desgraça da sua pequena história: a da impossibilidade de ceder ao amor pela governanta Miss Kenton, futura Mrs. Benn, interpretada por Emma Thompson numa fase em que os papéis pareciam criados à justa medida do seu talento.
Remains of the day, Despojos do dia poderá muito bem ser o filme pelo qual um dia James Ivory será recordado… e fará distinta figura.

terça-feira, fevereiro 08, 2005

Mudança


Com um regresso de Ribeiro Teles vamos voltar a acreditar!
Miguel Ribeiro Teles demitiu-se ontem de vice-presidente do Conselho Directivo do Sporting tendo anunciado a sua decisão ao presidente Dias da Cunha. O ingresso de Nuno Assis (sobre quem o Sporting tinha direito de opção) no Benfica terá sido a gota de água que fez transbordar a paciência do vice-presidente, o qual, sabe o DN, já há muito encabeçava uma espécie de 'oposição silenciosa' a Dias da Cunha no interior do clube. (continue a ler)

segunda-feira, fevereiro 07, 2005

Uma coisa leva a outra coisa…


Never apologize for showing feeling. When you do so, you apologize for truth.
... ou como a imagem de Benjamin Disreali (1804-1881) leva a uma belíssima citação do mesmo autor. Obrigado.

Laura Linney


A excelente e muito bonita actriz americana - a personal favourite of mine! - destaca-se de novo com a estreia dos filmes PS - I love you, de Dylan "Rodger dodger" Kidd e Kinsey, de Bill "Gods and monsters" Condon que farei por ver no próximo fim-de-semana.

Pequeno desastre na Madeira


Alan, o homem do jogo
Uma equipa apática (o Sporting) encontrou uma equipa intransponível (o Marítimo) e o resultado conta-se em três golos que podiam ter sido mais.

Dia dos namorados


MMM: Mathilde aime Mathieu
Um longo domingo de noivado aquece-nos o coração em lume brando. Imagem admito que um pouco pirosa de um filme simpático.


Arquivos

Novembro 2003 . Dezembro 2003 . Janeiro 2004 . Fevereiro 2004 . Março 2004 . Abril 2004 . Maio 2004 . Junho 2004 . Julho 2004 . Agosto 2004 . Setembro 2004 . Outubro 2004 . Novembro 2004 . Dezembro 2004 . Janeiro 2005 . Fevereiro 2005 . Março 2005 . Abril 2005 . Maio 2005 . Junho 2005 . Julho 2005 . Agosto 2005 . Setembro 2005 . Outubro 2005 . Novembro 2005 . Dezembro 2005 . Janeiro 2006 . Fevereiro 2006 . Março 2006 . Abril 2006 . Maio 2006 .



Lugares

ABC . Alexandre Soares Silva . Aos 35 . Aranhas, As . Atlântico . Avatares de um Desejo . Bomba Inteligente . Caravaggio Montecarlo . Casa Encantada, A . Contra a Corrente . Da Literatura . Deus me livre de ter um blogue! . E Deus Criou a Mulher . Educação Sentimental . Esplanar . Estado Civil . Homem a Dias . Invenção de Morel, A . Jazz e Arredores . Lugar Comum . Manchas . Memória Inventada, A . Mundo Perfeito, O . Origem das Espécies, A . Papagaio Morto . Porque . Praia, A . Regresso a Veneza, O . Rua da Judiaria . Seta Despedida . Sexta Coluna, A . Sound + Vision . Tradução Simultânea . Tristes Tópicos . Vício de Forma . Vidro Duplo . Voz do Deserto .




Powered by Blogger