Arquivos . Lugares


domingo, julho 31, 2005

Só para homens



Fredrik Ljungberg marcou dois golos e acabou com o Porto no Torneio de Amsterdão.

Assunção


Alia Vox (AV 9836)

Duas palavras ocorrem-me quando escuto este disco da Capella Reial de Catalunya dirigida por Jordi Savall: assunção e incenso. Assunção diz respeito à elevação da Virgem aos Céus e deve grafar-se com maiúscula inicial. Independentemente da fé de cada um, não é possível ouvir este CD sem exprimentarmos a impressão de subida a um patamar superior, cultural ou religioso.
Incenso, ou melhor, o modo como arde um pau de incenso e o seu fumo e aroma se espalham pelos espaços é a metáfora que na minha opinião descreve de forma mais clara o modo como esta música se metamorfoseia de passagem em passagem no cumprimento do ritual do Mistério da Assunção da Virgem Maria que é celebrado desde a Idade Média em Elche, na região de Valência. O enorme valor artístico e histórico desta tradição levou a que a UNESCO a considerasse património da humanidade - a um modo mais institucional, outro tipo de elevação.
O trabalho de Jordi Savall à frente da Capella Reial onde sobressaem as vozes celestiais da sua mulher, Montserrat Figueras (Maria), e da filha de ambos, Arianna Savall (Anjo), é de novo exemplar. E um passo determinante para que a inscrição deste cerimonial venha a ter lugar nas sensibilidades do mundo inteiro. A Campo de Ourique chegou faz já alguns meses para meu superior deleite.

Classificação: (10/10)

Ideia para publicitar o Viagra


Zapping

É bom saber que a equipa B do Sporting (triunfo sobre o Setúbal por 2-0) é hoje superior à equipa principal do Benfica (empate com o Guimarães 1-1).

sexta-feira, julho 29, 2005

The Day I Didn’t Make Love to Marilyn



Colin Clark, brother of Alan, is soon to add to the mountain of books about Marilyn Monroe with My Weekend with Marilyn. It purports to be a memoir of his heroically standoffish encounter with the twentieth century’s sexiest actress.
‘Four hours! Aren’t we going to make love, Colin?’ says Marilyn. ‘Will that give us enough time?’ To which Clark sternly replies, ‘Oh, Marilyn, you are a naughty girl. We are not going to make love, okay?’
This is the English way of doing things. We have better things on our minds than a night of passion with Marilyn Monroe.


DR DAVID STARKEY
‘Aren’t we going to make love, David?’ she purred cattily, pulling back the bedclothes.
But I had seen these tactics before. ‘A typically fatuous invitation, if I may say so, Miss Monroe,’ I countered with a smirk, buttoning up my blazer and donning a waterproof for added protection. That certainly put her in her place. I was determined to push my advantage home.
‘As a – correction: the – leading constitutional historian of our age,’ I continued, ‘I must frankly declare I have no interest whatsoever in accepting your characteristically ill-phrased invitation. Hands off, Monroe! In fact, I put it to you, Miss Monroe, that you are incapable of formulating an invitation commensurate with my status! But that’s Americans all over! Pah! Game, set and match to Starkey, methinks!’
Touche! She never asked me again! And they say she died of a broken heart!

SIR TERENCE CONRAN
‘Aren’t we going to make love, Terence?’ It was an enormous privilege to be the recipient of such a truly delicious invitation. This sort of thing gives one – and let’s not forget those one works with, we’re very much a team – the most terrific buzz.
I had initiated the process of removing, folding, ironing and tidying away my necktie, jacket, shirt, etcetera in preparation for ‘the main event’, as it were, when I glanced over at the bed upon which the naked Marilyn lay.
Something was troubling me. ‘I’m sorry,’ I said, ‘but really one should never ever allow five pillows on a bed. Two, four or six, yes. But one, three or five – no. Even numbers only. Anything else is so desperately ...uneven.’ I then embarked on a painstaking rearrangement of the pillows so that they would catch the morning light at an angle of approximately 45 degrees.
‘Aren’t we going to make love, Terence?’ It was an offer no less tempting for being repeated. Alas, while removing my Italian shoes – the leces were woven by a simply marvellous little man on the harbour at Porto Ercole – I noticed a small scuff just off-centre from the toe of the left one. ‘Patience is a virtue, Marilyn!’ I said, adding, ‘I’ll just deal with this.’ I then got down to French-polishing the shoe, employing the ingredients of a delightful little lime green sachet of my own design.
‘Aren’t we going to make love, Terence?’
‘But first let’s keep things simple, Marilyn! How one craves simplicity!’ I exclaimed, removing the busy floral curtains and improvising something rather ingenious with some loose cheesecloth fabric I had managed to find in a bottom drawer. Two and a half hours later, with everything just right, I was all set for a delicious amorous liaison.
I looked at the bed. It was empty. Marilyn all dressed by the door, her case in her hand, looking anxiously at her watch. She wanted me to drop her at the airport.
‘Aren’t we going, Terence?’

JEFFREY ARCHER
‘Aren’t we going to make love, Jeffrey?’ I looked frankly at the nude screen goddess before me. I had to tell her the honest truth. ‘Oddly enough,’ I said, ‘that is exactly what Mae West asked me when I was invited to the Roosevelt White House to honour my achievement of becoming the first man to cross the Atlantic swimming doggy-paddle. Incidentally, Marilyn, did Winston ever tell you what my good friend the Pope said to me while anointing me Cardinal?’ “Jeffrey, dear boy,” he said, “Jeffrey, you’re worth a million dollars!” “Cash?” I said.
‘Aren’t we going to make love, Jeffrey?’
‘First things first, Marilyn,’ I said, frankly. ‘The time’s not 11.00pm, it’s 10.30am, we’re not at your hotel room, we’re at the home of a close friend, we’re not alone, we’re in company, and if anyone asks you if this ever really happened, you’re to tell them it did. Sign here!’

TONY BENN
‘Aren’t we going to make love, Tony?’ In response, I drew up a request asking her politely but firmly to furnish me with proof of membership of an affiliated trades union. ‘Y’see, Marilyn,? I informed her, ‘we’ve got to stick to the issues here–’
‘B-b-but Tony …’
‘Let’s keep personalities out of it, shall we? Someone had to make the bed, and someone else had to sew those pillowcases. Ye Jenkinses and ye Hattersleys might see fit to disregard the centuries-old struggle of the ordinary working people of this country for a night of passion, but I am not prepared to ride roughshod over a thousand years of organized labour.’
Eventually, we arrived at a compromise. She would remain in bed, while I would read choice passages from my Collected Speeches (1942-56) out loud to her. Oddly enough, Marilyn was soon fast asleep. Had MI5 been at her cocoa?

MICHAEL WINNER
‘Aren’t we going to make love, Michael?’ said Miss Monroe.
I was having none of this. Not a please or a thank you, would you believe, and her clothes were spread any old how across the floor. And now she was attempting to coax me into her bed, with no suggestion of payment! To my mind, this was one young lady in urgent need of a lesson in manners.
‘Do you know who I am?’ I said. ‘I’ve never been treated like this in all my life! Don’t you ever expect me to come back here again! I’ll have you know I’m a personal friend of the Prime Minister and I have had the great pleasure of being presented to Her Majesty on three separate occasions! Now, let me see your manager, if you please, young woman! Do you know who I am?’

[This is Craig Brown, págs. 165/168]

Palácio da Razão

Chama-se o blogue do artista plástico Pedro Proença que, como iremos perceber, é muito dado às letras também. O Pedro é pessoa que estimo e que conheço de outras artes - pelo menos tão antigas quanto os séculos que o Palácio da Razão tem dentro. Welcome!

Na Tijuca (como em qualquer outro sítio)

«Volúpia do aborrecimento: decora esta expressão, leitor; guarda-a, examina-a, e se não chegares a entendê-la, podes concluir que ignoras uma das sensações mais subtis desse mundo e daquele tempo.»

[Memórias Póstumas de Brás Cubas (Curso Breve de Literatura Brasileira, 1), Capítulo XXV, pág. 86]

Esse masculino objecto do desejo


Rupert Everett: um "Deus grego" em Veneza*

«O meu pai era um homem muito grande. Toda a vida usou um bigode preto. Quando ficou grisalho, passou a usar uma escovinha para o manter preto, como as senhoras usam nos olhos – rímel. Todos o temiam. A minha mãe, as minhas quatro irmãs. Durante o jantar só podíamos falar se o meu pai nos dirigisse a palavra. Mas ele amava-me. Era o seu preferido.»

«O meu pai e o pai dele sabiam perfeitamente quem eram. Eram homens e tinham orgulho no seu sexo. As mulheres também os compreendiam. Mas hoje, as mulheres tratam os homens como crianças, não os levam a sério. As mulheres levavam muito a sério homens como o meu pai e o meu avô. Não havia incerteza. Não havia confusão.»

Estas palavras pertencem a Robert (Christopher Walken), na minha opinião o personagem central de Estranha sedução, The comfort of strangers, realizado em 1991 por Paul Schrader e que eu já não via há pelo menos dez anos. Este será um dos filmes mais subvalorizados do realizador e argumentista norte-americano (Taxi driver, anyone?), mas eu continuo a achá-lo fascinante. The confort of strangers passa-se em Veneza, tal como Morte em Veneza, de Visconti, ou Don’t look now, de Nicholas Roeg, e tal como estes é misterioso e termina em tragédia. Mas antes de me alongar mais sobre o filme, deixem-me apresentar-vos a ficha técnica sumária que é de deixar qualquer um atordoado. Estranha sedução, The confort of stangers foi feito por:

Harold Pinter (argumento), baseado num livro de Ian McEwan. A música pertence a Angelo Badalamenti. O guarda-roupa a Giorgio Armani. A fotografia é de Dante Spinoti. Os protagonistas são: Christopher Walken, Rupert Everett, Natasha Richardson e Helen Mirren.

Trata-se de um filme assombrado por uma figura masculina de que apenas ouvimos falar. Assombrado também pela labirintica Veneza com os seus canais, ruas estreitas e becos esconsos. Na minha opinião, o filme de Paul Schrader diz-nos que toda a masculinidade exacerbada esconde uma homossexualidade latente. Schrader é ele próprio um indivíduo assumidamente castrado (na sua sexualidade et al...) pela figura paterna, um calvinista da linha-dura. Robert (Christopher Walken, magnífico!) é dono de um bar que mais parece um bar gay frequentado por homens que ajeitam constantemente o cabelo, que envergam t-shirts que quase deixam os ombros a descoberto, tudo muito macho, tudo muito bicha. Rupert Everett (Colin), elemento masculino do casal inglês de regresso a Veneza, é denunciadamente o objecto de desejo do filme. Desejado pela companheira (Mary, Natasha Richardson) e desejado pelo casal anfitrião (Mirren/ Walken) que os atrairá para a armadilha final. O que é mais forte no filme de Schrader é este clima de sensualidade perversa, alimentado pela arquitectura da cidade, entre a opulência e a decadência. Veneza simboliza a atracção pelo desconhecido. Pelo desconhecido em nós. Aquilo que muitas vezes os outros percebem antes e que nos cobram arduamente. Existir pode ser já um pecado. Mortal.

Classificação: (8/10)

* banco de imagem Google ("pormenor" de uma fotografia original de Greg Gorman)

Nota: este DVD encontra-se disponível nas lojas Valentim de Carvalho por um preço irrisório.

quinta-feira, julho 28, 2005

Ainda sexo, coca e rock'n'roll



Ainda o sexo, a coca e o rock’n’roll. O filme de Michael Winterbottom, 9 Songs, 9 Canções, procura traduzir na história de amor de um ano do jovem casal – ele inglês, ela americana -, o carácter imediato e sintético da canção pop: eles saem à noite, eles fazem amor, eles vão a concertos na Brixton Academy, eles fodem, eles passeiam, eles fodem. As canções filmadas ao vivo são quase todas medianas, e as letras traduzidas na versão portuguesa quase sempre embaraçosas.
9 Canções lida ainda com a memória. É o tema que sobressai da sua aparente superficialidade. A memória do planeta que fica preservada nos glaciares da Antártida (que o protagonista, geólogo(?), sobrevoa em diferentes momentos e que sugere uma estrutura em flashback), e aquela que diz respeito ao nosso quotidiano que é suposto ficar colada às canções que ouvimos em determinada altura. “... the songs that made you cry and the songs that saved your life” (The Smiths)
O que Winterbottom não mostra é que a vida continua e que são mais as canções que ficam pelo caminho do que as que continuaremos a preservar. Isso já seria matéria para outro filme... Quanto ao sexo, que 9 Canções regista do modo artístico (entre o DV e David Hamilton) e elíptico, ele é gráfico mas não é gratuito. Discordo no entanto da opção de não atribuir maior duração a cada cena. Será do tal carácter efémero da canção pop? Seja. Mas para um objecto que pretende apresentar um ponto de vista adulto sobre a memória, e que pretende filmar a intimidade em directo, num falso despudor, o resultado carece de transcendência – aquilo que fica connosco quando abandonamos a sala de cinema.
Os melhores planos são exactamente aqueles que duram: a carícia podal na banheira e a derradeira cópula enquadrada ao nível da penetração. 9 Canções tem ainda muito spleen e alguma filosofia balofa também. Vale pelo greatest-hits de uma banda que não fez história mas que teve os seus momentos.

Classificação: (4/10)

quarta-feira, julho 27, 2005

Intimidade



9 Songs, 9 Canções, de Michael Winterbottom, estreia amanhã. Uns irão ver pela música, outros pelo resto. Sobre o resto prestarei contas logo que possível.

Volta ao Mundo em 3 1/2 fins-de-semana



Em boa hora o DN lembrou-se escoar o stock de DVD's sobrado da revista Volta ao Mundo que deu novamente a possibilidade de adquirir - ao longo de 4 sábados e 3 domingos - a série da BBC protagonizada pelo Monty Python Michael Palin. A mesma começa por ser um excelente documentário distribuido por sete programas de 50 minutos. Palin é uma simpatia e embora nunca perca de vista o objectivo principal da aventura - dar a volta ao mundo em 80 dias, tal como o herói de Júlio Verne, Phineas Fogg -, é sempre alguém curioso e disponível para partilhar aquilo que é específico dos locais por onde viaja. Confesso que me apaixonei por esta série a partir do momento em que o nosso anti-herói viajou no Expresso do Oriente pelos Alpes suíços - coisa deveras romântica -, respeitando a etiqueta de tão fascinante viagem, com jantares que obrigavam a traje de rigor etc. No próximo sábado sai o DVD número 3. Como imagino que os dois primeiros não estejam esgotados, deixo o aviso à tripulação. Séries como esta - levada a cabo na década de 80 - ajudaram a caracterizar aquilo que hoje é denominado de qualidade britânica. Rima com BBC.

Metapublicidade

José Mourinho no novo anúncio televisivo do BPI: "E se não fosse para ganhar, eu não estaria aqui."

O melhor possível...



Be, do rapper Common, que por alturas das primeiras audições fez disparar o meu entusiasmo, não é obra-prima, antes a obra-prima possível. O meu fundamentalismo em relação ao hip hop é 100% intransigente com conspurcações que venham das músicas latinas, do punk, do nu-metal, do rock psicadélico, de todas essas porcarias que parasitam a cultura afro-americana e que por imperativos de mercado a cultura negra por sua vez também parasita.
Common, nascido Lonnie Rashied Lynn, em 1972, largou a electricidade pestilenta do seu opus anterior, Electric Circus (2002), e regressou aos ritmos de Like Water for Chocolate (2000), o seu ainda melhor disco até à data. A receita é simples; repeti-la acrescentando alguma originalidade, algo de novo e de pessoal, é que separa os bons do resto da maralha. É sabido que o hip hop atravessa uma profunda crise de criatividade e até os melhores – Mos Def. Talib Kweli, esse pessoal... – marcam passo. E se formos à soul o panorama não é menos desolador – por exemplo, quanto tempo passou desde que o génio de D’Angelo se iluminou pela última vez? São poucos os que chegam com qualidade ao segundo registo sem que venha um executivozinho de merda - branco ou negro ou amarelo - a dar palpites sobre o modo com devem fazer a sua música... para ganharem MUITO dinheiro!!!
E assim regressamos a Be, a tal obra-prima possível. Buscando inspiração nos históricos Marvin Gaye e Malcolm X e recrutando o wonder kid Kanye West para a produção, Be apresenta vários rasgos de muito boa música de inspiração jazzística, não se furtando igualmente às doses apropriadas de sensualidade soul e hip hop. Por que é que é triplamente difícil de concretizar um bom disco de hip hop? Porque esta música deve apelar simultaneamente à zona do cérebro, do coração e da genitália. Para testarem em directo o que quero dizer, oiça-se (quero dizer: comprem o disco e ouçam!) a sequência de três temas de Be que começa com The Food [live], depois Real People e por último They Say (o meu favorito!). Está próxima do final: faixas 8, 9 e 10 (de 11). Se o CD mantivesse este nível, a equação resultaria em nota máxima. Se aceitarmos que os parâmetros são Marvin Gaye, What’s going on (10/10) e o próprio Common, Like water for chocolate (9/10), o disco terá que ficar classificado um pouco abaixo. Imediatamente abaixo.

Classificação: (8/10)

Brevemente...



Marilyn Monroe terá sempre esta idade, 36 anos, e esta imagem, perfeita. Ela foi, nas palavras do cronista Craig Brown, "the twentieth century's sexiest actress", o que na mais nua verdade quer dizer "the twentieth century's sexiest WOMAN" (my words now). Há uma crónica de Craig Brown que consta do livro "This is Craig Brown" (Ebury Press, 2003) intitulada "The Day I Didn't Make Love To Marilyn". Vou ler. Se for boa divulgarei aqui no blogue.

Espiritual raro



Em 2005 (porque não admitir que foi anteontem...) descobri Graham Collier através de um CD que, vim a verficar, justifica estatuto de peça de colecionador. Refiro-me a Down another road, de 1969, o melhor disco de jazz que escutei este ano. O inglês Collier é um reconhecido teórico do jazz, também arranjador e regente, que muitos comparam a Gil Evans. A espiritualidade patente em Down another road fez-me pensar antes na música de Randy Weston, talvez referência que me é mais cómoda de citar.
Down another road, aviso já, dá trabalho para encomendar: a melhor casa nacional de venda de música jazz (o Trem Azul) dá o CD como descatalogado, e na Net a alternativa é procurá-lo em lojas de 2ª mão. Mas como vale a pena procurar este magnífico disco!

segunda-feira, julho 25, 2005

WBA notes


Edson (aqui com as cores do Lis)

Acabo de ver o jogo do Sporting com o West Bromwich Albion (WBA). Primeiro que tudo, congratulo-me com a melhor contratação, até ver (falta mais Luís Loureiro, e Deivid e Tonel), do meu clube: Edson, temos homem! Sereno a defender, muita qualidade no passe largo e atrevimento no momento do remate (um pé esquerdo que vai produzir estragos, se Edson quiser). Peseiro pensará agora em termos de dispensas e eu dou-lhe uma ajuda - de trás para a frente. Nuno Santos ou Tiago, um dos guarda-redes tem de sair. Depois é óbvio que ganhamos em pôr Semedo ou Miguel Veloso - e porque não os dois? - a fazerem a sua primeira época de Superliga noutro clube.
O lado esquerdo já dá mais que pensar... Muito depende de o Sporting conseguir Wender (Braga) ou não: eu gostava de o ter! Se Wender não vier, talvez mantivesse quer André Marques quer Nani. Se for respeitado o desejo do jogador bracarense, então acho que era de esprestar dos três (Marques, Nani e Valdir) dois. À frente não restam dúvidas. Silva cedido de preferência com carácter definitivo (o Pacheco do Guimarães por certo apreciaria!) e Varela emprestado dentro do mesmo espírito dos outros ex-juniores - pró ano há nova oportunidade de se mostrar.
Últimas notas para três jogadores que estiveram hoje em destaque e depois não: Liedson marcou um primeiro golo de belíssimo efeito mas falhou outros dois mais simples, revelando alguma displicência na hora de mostrar serviço; Roca aparenta a falta de forma que o perseguiu toda a época 2004/2005, fez um remate brilhante devolvido pela trave e quando faltaram as pernas partiu para a falta, como é do seu género. Tenho saudades de ver este lutador cansado de volta ao seu estatuto de incontornável patrão-distribuidor. Finalmente Carlos Martins, que jogava em casa, também se mostrou algo preso até ter marcado o segundo do Sporting. Depois foi outro: tem físico e técnica para ser craque, e converteu ainda um penálti com o brilho das coisas simples. Posto isto, venha de lá o Wender que o Centenário é já a seguir.

A arte da crónica (teoria)

Recebo convite para escrever texto longo sobre «a crónica». A coisa destina-se a estudantes de jornalismo. Óptimo. Mas, por favor, não é preciso gastar tempo nem palavras. A arte resume-se em dez leis fundamentais. Primeiro: a crónica não é um género jornalístico; a crónica é um género literário. Segundo: a crónica pode partir da realidade mas, não raras vezes, a crónica cria a sua própria realidade. Terceiro: a crónica não é análise nem comentário; a crónica é confissão e hipérbole. Quarto: a crónica não pretende formar ou influenciar; a crónica deve entrreter e, se possível, opinar. Quinto: a crónica não vive da especialização; a crónica vive da diversidade. Sexto: a crónica vale pelo estilo e pela substância; em caso de conflito, sacrifique-se a substância. Sétimo: a crónica não pondera opiniões contrárias à sua; a crónica pondera apenas uma opinião que seja contrária às outras. Oitavo: a crónica não está certa ou errada; a crónica, como diria Wilde, está apenas bem escrita ou mal escrita. Nono: a crónica é pessoal; a crónica é um prolongamento do ego. Décimo: a crónica deve ser tão fácil de ler como de esquecer.

[João Pereira Coutinho, Estado Crítico, Expresso, 23 Julho 05]

A arte da crónica (prática)

Na última das suas crónicas*, Mário de Carvalho contou a história de um amigo que, «orgulhoso portador», do patronímico Brás, comprara um livro de Camilo porque, olhando-o repetidamente na montra de uma livraria, sempre lera «O Brás» onde apenas estava «Obras». E afirmava, ainda a crónica estava no começo: «A aproximação a um livro pode dar-se por atracção homonímica.» Aqui, parei de ler, perplexo: acontecera-me o mesmo! Na verdade, o meu caso era antes um exemplo de confusão homonímica, mas envolvia também um Brás, agora nome próprio, e um livro, que, por seu turno, se encarregava de prever ou de jogar com a possibilidade de tal confusão. A aproximação ao livro, além disso, determinou o curso posterior da minha vida. Por isso a conto.
Em 1973, eu vivia no Porto, e certa pessoa do meu particular interesse morava na Rua Brás Cubas, que fica, se ainda existe, perto das Antas. Certa tarde – já eu me afeiçoara há muito a escrever o nome «Brás Cubas», reiterando-o com usos e destinos que não variavam de umas vezes para as outras –, passando pela Bertrand da Rua 31 de Janeiro, então de Santo António, vi exposto na montra um livro, cujo autor, Machado de Assis, ignorava de todo, e que se intitulava Memórias Póstumas de Brás Cubas. Ou porque o nome me pareceu raro, ou porque simplesmente naquela época era mais novo, presumi que se tratava do mesmo Brás Cubas da rua, nem reparando no esquisito «póstumas» que lhe qualificava as memórias. Comprei-o, claro: custava pouco mais do que duas senhas de almoço na cantina de Letras. Omito os motivos da compra, ou apenas declaro que pretendia manipular o livro ao serviço de uma causa justa, usando os termos da época. O que releva é contar que o li, descobrindo que, afinal, aquele Brás Cubas não tinha o nome daquela rua, descoberta, aliás, sem qualquer mérito: está lá explicado, no terceiro capítulo, que o nome «Brás» foi dado ao memorialista no âmbito de uma falsificação genealógica do pai, que tentara entroncar-se na descendência do capitão-mor Brás Cubas, fundador de S. Vicente, que devia ser o da rua. Deste, só mais tarde vim a saber alguma coisa. Que partiu para o Brasil em 1530, tendo organizado e comandado a primeira expedição que regressou com amostras de ouro; que na sua época se formou o núcleo populacional que viria a tornar-se a cidade de São paulo; e que, em particular, fundou, no ano de 1536, uma povoação a que deu o nome de «Porto». Segundo a tradição, o nome fora motivado pelas excelentes condições portuárias do local, mas não suponho arriscado atribuí-lo a uma secreta homenagem à sua cidade natal: o Porto. Se assim foi, o sentido da homenagem perdeu-se, porque a cidade passou a ser conhecida, até hoje, por outro nome e ironicamente por efeito de uma das obras do capitão Brás Cubas: é a cidade de Santos, nome derivado do Hospital de Todos os Santos, o primeiro hospital em terra brasileira, estabelecido em 1543.
Estas e outras informações só as alcancei, como disse, muito mais tarde: justamente quando tive necessidade de proceder a diversas elaborações sobre a função daquela homonímia no romance, as quais sustentam parte importante de um ensaio universitário sobre Machado de Assis que viria a chamar-se, vejam só, Em nome do apelo do nome. Se escrevesse agora que a leitura daquele livro, em 1973, me marcou para sempre, que me conduziu a procurar outros livros de Machado de Assis, que, desde então, o leio e releio permanentemente – chegando a parecer que nunca li outro, ou que é ele o padrão com que avalio outros –, diria alguma verdade, mas, no essencial, faria grossa falsificação. A confusão homonímica é a única responsável, porque criou a conjunção de um episódio da minha vida com um traço distintivo do livro. Por um lado, eu tinha tido a sorte de passar pela Rua Brás Cubas: anos mais tarde, quando foi preciso, tinha lido Machado de Assis e outros não. Por outro lado, e sobretudo, a confusão homonímica está prevista no livro: sendo este, porque póstumo, escrito pelo nome, não pelo portador, já defunto, a homonímia afecta-o ao condená-lo a errar pela posteridade inseparável do outro. Dir-se-ia que, um dia, precisei de escrever trezentas páginas para perceber porque comprei aquele livro em 1973: a confusão homonímica não era senão um apelo do nome para se libertar da confusão homonímica.
A terminar, uma minúcia: conservei esse exemplar das Memórias Póstumas de Brás Cubas durante quinze anos. Há alguns anos, imprudente, emprestei-o a alguém que não é Brás, nem Cubas. Nunca mais o vi.

* Na publicação original, no suplemento «Leituras» do Público, estas «Verbiagens» alternavam com a crónica de Mário de Carvalho.

[Abel Barros Baptista, A Infelicidade pela Bibliografia (Angelus Novus, 2001), págs. 18/20]

domingo, julho 24, 2005

La big Meg



Como tudo o que corresponde às fases da vida, percebemos um dia que a idade para apreciar comédias com Meg Ryan também chega ao fim.

sábado, julho 23, 2005

Encosto imediato do 14º grau

Apaguei na frente do televisor talvez pela metade do programa do Pacheco. É que nem senti o sono a vir. Limitei-me a fechar os olhos de repente. Quando exactamente? Não sei. Tive vergonha de perguntar depois aos meus companheiros de sala. Verdade seja dita, o documentário não era arrebatador. Tinha partes de um formalismo irritante à Jeunet e quando a palavra era dada ao escritor só lhe aproveitavam os soundbytes. Também o que dele iam falando para a câmera Mário Soares, Saramago e os próprios filhos eram as trivialidades do costume para ajudar a compor a lenda. Bem mais interessante é a entrevista que João Pedro George postou há tempos no Esplanar - página inactiva (com pena nossa!) desde 20 de Maio. Claro que nada disto desculpa o facto de eu ter adormecido. A desculpa, a ser encontrada, está na graduação do vinho: nos 14º do Palha Canas. E também nalguma velhice prematura. - Ó Pacheco, vê-me lá aí as pantufas!

sexta-feira, julho 22, 2005

Capítulo XVI


Machado de Assis

UMA REFLEXÃO IMORAL
Ocorre-me uma reflexão imoral, que é ao mesmo tempo uma correção de estilo. Cuido haver dito, no capítulo XIV, que Marcela morria de amores pelo Xavier. Não morria, vivia. Viver não é a mesma cousa que morrer; assim o afirmam todos os joalheiros desse mundo, gente muito vista na gramática. Bons joalheiros, que seria do amor se não fossem os vossos dixes e fiados? Um terço ou um quinto do universal comércio dos corações. Esta é uma reflexão imoral que eu pretendia fazer, a qual é ainda mais obscura que imoral, porque não se entende bem o que eu quero dizer. O que eu quero dizer é que a mais bela testa do mundo não fica menos bela, se a cingir um diadema de pedras finas; nem menos bela, nem menos amada. Marcela, por exemplo, que era bem bonita, Marcela amou-me...

[Memórias Póstumas de Brás Cubas (Cotovia), pág. 62]

É cá uma fezada!



Luiz Pacheco - Mais um dia de noite, às 22h30 de hoje, 6ª Feira, na 2:. Ou será na :2?

quinta-feira, julho 21, 2005

O que custa refazer uma equipa



Benfica 0-1 Chelsea;
Vitesse 2-0 Porto;
Celtic 2-2 Sporting.

Douala foi o elemento mais vistoso do Sporting. A equipa no entanto quebrou na 2ª parte que foi quase nula de interesse. Se exceptuarmos Nani e João Moutinho (e o camaronês que bisou!), nenhum outro elemento leonino adquiriu mínima evidência nos segundos 45 minutos.
Notas para o plantel: se ficarmos com Semedo e Miguel Veloso - que não estou certo que seja a opção mais correcta - torna-se desnecessária a aquisição de outro central. Com a chegada de Deivid a presença de Silva é cada vez mais desnecessária (há ainda o Manoel que, timidamente, resiste a impôr-se). Silva por Wender mais uns cobres podia ser negócio proveitoso. À direita, Rogério e Miguel Garcia; à esquerda Paíto e Edson (dúvidas, dúvidas, dùvidas, dúvidas).
Hoje faltou nitidamente outra envergadura ofensiva ao Sporting, coisa que a recuperação de Pinilla e a chegada de Deivid podem ajudar a solucionar. Não esqueci Tello. Será que se não comprarmos um central, podemos substituí-lo por outro defesa direito mais o extremo esquerdo que Peseiro pede há muito? FORÇA SPORTING!

Alguns vão dizer



Este Governo tinha bom senso, categoria e competência. Não tem, não, não tem mais.

Tempos de crise



Estreia hoje pela "segunda vez" e é o melhor filme em cartaz. Atenção à música!

Seul is an eyeshore


des invités: Elizabeth Fraser, Stuart A. Staples, Jane Birkin, Dominique A., Miossec

E depois, se me derem licença, vou ouvir o resto no DVD.

King David


Larry David

Muitos anos eu viva (vem aí exagero...!), não conseguirei agradecer suficientemente a este senhor e a esta menina a descoberta do genial Larry David. Eu (vem aí penitência...!) que até nem era espectador regular do Seinfeld... de que David foi co-autor.
Adiante: Curb your enthusiasm, A louca vida de Larry saiu em DVD e não mais conseguirei olhar para o Woody Allen assim-assim com a mesma condescendência. Larry rules! Moral da série: This whole thing has disaster written all over it. (do episódio 3)

Biografia do sujeito:
David was a writer and performer on ABC's late night comedy series "Fridays" from 1980-82. (Seinfeld regular Michael Richards was also a regular on the series.) He wrote for Saturday Night Live during the 1984-85 season, and claims that only one of his sketches ever made it onto the broadcasted shows. (A slyly aborted walk-out by him was later the inspiration for the Seinfeld episode in which George quit his job and then returned as if nothing happened!) In 1983, he acted in two films: Henry Jaglom's "Can She Bake a Cherry Pie?" and "Second Thoughts." He played a "communist neighbor" in Woody Allen's "Radio Days" (1987) and also acted (playing a theater manager) in the Allen-directed segment of the 1989 "New York Stories" anthology.
The next year Larry David co-created (with Jerry Seinfeld) one of the most lauded comedy series in TV history, "Seinfeld." David wrote for that series from 1990-96 and returned to write the series finale in 1998. (David also did a few uncredited appearances during show's run, including loaning his voice for certain off-screen characters including George Steinbrenner.) David was Emmy®-nominated seven times for his writing on "Seinfeld", and won in 1993 ("Outstanding Individual Achievement in Writing in a Comedy Series") for the now classic episode "The Contest." He also shared an Emmy® in 1993 for "Outstanding Comedy Series". (He has shared a nomination for this award six times.) David won WGA awards for his work on "Seinfeld" in both 1994 and 1995.

Episódio favorito (so far... e tão familiar). É comprar! É comprar! É comprar!

Rodrigo Leão em francês escreve-se René Aubry



Não tenho muitos discos do músico francês René Aubry. Tenho um: Plaisirs d'Amour. Terei começado logo pelo melhor?

Rei Deivid


Deivid agradece o apoio da torcida ao comemorar seu gol na vitória do Santos sobre a Inter de Limeira, por 1 a 0, na Vila Belmiro.

Deivid é jogador do Sporting por quatro anos
(leia notícia da confirmação oficial pelo Bordéus)

O B.I. do craque:
DEIVID de Souza
Idade: 25 anos (22.10.79)
Naturalidade: Rio de Janeiro (Brasil)
Posição: avançado
Clube: Bordéus (emprestado ao Santos)
Altura: 1,80m
Peso: 76kg
Chuteiras: número 40
Percurso: Nova Iguaçu; Joinville; Santos; Corinthians; Cruzeiro; Bordéus; e Santos. Títulos: Torneio Rio-São Paulo 2002; Copa do Brasil 2002 e 2003; Campeonato Mineiro 2003; Campeonato Brasileiro 2003 e 2004.

Reacções do adversário:
"Deivid é um grande jogador, muito valorizado no Brasil. É um atacante com boa finalização e velocidade. Está vindo para o Benfica?", questionou o brasileiro.
(Léo, novo reforço do Benfica, conhece-o e aprova!)

quarta-feira, julho 20, 2005

This is Craig Brown


Para quando o livro?


I say, para quando o livro?

DIA 2, SÁBADO
A miséria alheia é a sorte de Bob Geldof. Em 1984, o cavalheiro viu um programa sobre a fome na Etiópia e, em vez de mudar de canal, decidiu chamar a atenção dos media através de uma cantiga. A cantiga, que reuniu todo o esterco da pop britânica, foi lançada em Dezembro e lamentava que os infelizes etíopes não soubessem que estávamos no Na­tal. Visto que os infelizes etíopes são maioritariamente muçulmanos ou animistas, era como dedicar o Ser Benfiquista à claque do Porto. Ninguém se importou: Do They Know It's Christmas? vendeu imenso e convenceu Bob Geldof de que tinha uma missão a desempenhar. A missão consistia em nutrir milhões de africanos e em massacrar, com refugo vagamente "musical", milhões de ocidentais. O Live Aid, realizado em 1985, cumpriu a segunda tarefa. Embora Bob Geldof tenha assegurado que os lucros dos concertos foram inteirinhos "para as pessoas que precisam", não se notou muito que a pessoa mais precisada se chamava Mengistu Hai-le Mariam, o ditador local, a quem o dinheiro veio a calhar para fortalecer as tropas. Excepto pelos soldados, que passaram a comer indiscutivelmente melhor, o etíope médio não sentiu grandes abalos na dieta. Quer dizer, na verdade, sentiu: a fome, que é um instrumento usado na região para conter eventuais rebeliões, aumentou, graças a um exército mais capaz de a implementar. Graças ao Live Aid. Vinte anos passados, a manutenção do drama africano e as prováveis debilidades na sua conta bancaria levam Bob Geldof a reincidir. O Live 8 é o Live Aid que, em lugar de recolher fundos, procura motivar os "países ricos" a perdoar a divida dos "países pobres". Mas a essência da caridade mantém-se, e terminará fatalmente no reforço bélico dos dementes que mandam em África. Ao contrário daquilo em que Bob Gel­dof finge acreditar (e em que alguns tontos acreditam de facto), o problema de África não passa pela escassez alimentar: passa pela escassez democrática. Removido o socialismo despótico que é regra de Angola ao Zimbabwe, a coisa só poderá progredir. Troque-se Madonna pela privatização da propriedade, os U2 pela liberalização do comércio, a Mariza pela abolição dos obstáculos fiscais à iniciativa particular, os Pink Floyd pelo fim das guerras civis. Bob Geldof por eleições justas e pronto. O engraçado é que o circo do Live 8 continua a culpar as democracias, o poder do mercado e a globalização, justamente o que África não tem e necessita. E tudo isto ante a complacência de Blair, Bush e restantes senhores do mundo livre. Aliás, excessivamente livre: há pelo menos 20 anos que o sr. Geldof devia estar preso.

Alberto Gonçalves não autorizado. Pela terceira e última vez, para quando o livro?

Eco


When in Rome



Christian Fennesz e Ryuichi Sakamoto encontraram-se a Novembro do ano passado, em Roma, para apresentação conjunta no Festival Romaeuropa. Estava criado o contexto onde iria ter lugar um ensaio electrónico "às três tabelas", cujo vértice omnisciente terá sido David Sylvian, cúmplice antigo de Sakamoto (ver grande parte da discografia de ambos) e colaborador recente de Fennesz (ver Blemish e Venice).
O que temos registado ao longo dos 19 minutos de duração deste CD/EP, é um fluxo contínuo e instável de micro-partículas sonoras caracterizadas quer pelo som quente, orgânico e fragmentário da guitarra processada de Fennesz, quer através dos contornos adquiridos por uma música granulosa e impressionista - mais presente ou mais em fundo -, influenciada suspeitamos pela sensibilidade do músico japonês.
Colocar sala santa cecilia (Touch Tone 22) em loop é o primeiro passo para nele nos entranharmos mediante prova de um certo grau de estranheza, consoante estejamos mais ou menos familiarizados com o coeficiente de experimentação musical aqui proposto. Colaboração que nos tempos próximos dará azo à edição de um CD completo. E, que aposto, terá David Sylvian por perto.

Classificação: (8/10)

Uma questão de estilo (2º)



E foi assim que me encaminhei para o undiscovered country de Hamlet, sem as ânsias nem as dúvidas do moço príncipe, mas pausado e trôpego, como quem se retira tarde do espetáculo. Tarde e aborrecido. Viram-me ir umas nove ou dez pessoas, entre elas três senhoras, minha irmã Sabina, casada com o Cotrim, - a filha, um lírio do vale, - e... Tenham paciência! daqui a pouco lhes direi quem era a terceira senhora. Contentem-se de saber que essa anônima, ainda que não parenta, padeceu mais do que as parentas. É verdade, padeceu mais. Não digo que se carpisse, não digo que se deixasse rolar pelo chão, convulsa. Nem o meu óbito era cousa altamente dramática... Um solteirão que expira aos sessenta e quatro anos, não parece que reúna em si todos os elementos de uma tragédia. E dado que sim, o que menos convinha a essa anônima era aparentá-lo. De pé, à cabeceira da cama, com os olhos estúpidos, a boca entreaberta, a triste senhora mal podia crer na minha extinção.

[Machado de Assis, Memórias Póstumas de Brás Cubas (Cotovia, 2005) pág. 20]

Escrito em 1880 com “a pena da galhofa e a tinta da melancolia”.

Uma questão de estilo (1º)


Visconti

Passou ontem na 2: a terceira parte da viagem de Martin Scorsese pelo cinema italiano. Scorsese fala de cada filme evocando recordações da sua infância e juventude – muitas destas obras começaram por ser vistas em família – mas também explica em que medida foi influenciado por alguns deles. Este último aspecto é que torna a série tão atractiva. Scorsese deteve-se ontem em dois filmes em particular: Senso, Sentimento (1954) de Luchino Visconti e I vitelloni, Os inúteis (1953), de Federico Fellini. E comentou com ênfase as marcas de estilo de ambos. No caso de Senso, referindo-se entre outras à cena de abertura, no teatro La Fenice com o público a assistir a Il Trovatore, de Verdi, onde Visconti coreografou ao detalhe a movimentação dos personagens de acordo com a música no palco – tal como Scorsese faria mais tarde no seu The age of innocence, A idade da inocência (1993). No caso de I vitelloni, explicando a influência que este filme viria a ter sobre Means streets, Os cavaleiros do asfalto (1973) – também a história do limbo existencial em que vive um grupo de rapazes já não adolescentes e também ainda não adultos – e reportando-se à força emocional da última cena em que a despedida de Franco (personagem onde Fellini se projecta e retrata) surge montada em paralelo com as imagens dos restantes amigos que dormem, filmados através de travellings que sobre eles avançam ou recuam.
Fica claro que para Martin Scorsese o poder transformador da forma (do estilo) sobre o conteúdo (a história) é o mais importante. É a sua definição de cinema, mais tarde posta em prática.

terça-feira, julho 19, 2005

Copy-Paste do Copy-Paste

VPV e o Copy-Paste por Osvaldo M. Silvestre

- Sabe o que às vezes me acontece quando leio o Vasco Pulido Valente, senhor?
- Diga, Groucho.
- Uma estranha sensação de déjà vu.
- Ai sim? E porquê?
- Porque, como já o leio há décadas, tenho a sensação de que aquelas crónicas que leio hoje, já as li há uma década ou duas. Com outros nomes de personagens, outros governos, mas no fundo…
- Um eterno retorno da crónica?
- Mais ou menos. Ou melhor: o eterno retorno do assunto, o eterno retorno da choldra, o eterno retorno do tédio.
- O Windows tem uns comandos para isso: Copy-Paste.
- Nem mais, senhor! Não sei se reparou, mas ele está sempre a dizer que, nos últimos dois séculos… – já me disseram que para trás do século XIX ficam as trevas, para ele…
- …para trás do Eça, quer o Groucho dizer?
- Ou isso. Mas continuando: por sistema, ele pega numa ocorrência, ou num tema – por exemplo: a redenção nacional pela educação – e mostra como esse tópico foi obsessivo no período moderno, dos primeiros liberais a Salazar, Caetano e à democracia. E como, em consequência típica, dessa obsessão nada resultou de útil ou proveitoso.
- Ou seja: o país funciona por Copy-Paste, em ciclos mais ou menos curtos que retomam vocabulário de ciclos anteriores. E assim ad infinitum, se o facto de se tratar apenas de 2 séculos não inibisse a noção de infinito. Ainda que não iniba a de enfado e desgosto.
- Exacto. O país repete-se, copia-se e, em consequência, patina. Não sai do mesmo sítio. A arte da política consistiria, entre nós, em criar a ilusão de que se sai do sítio quando na verdade nunca dele saímos. Claro que este modelo analítico, que outros dirão que é o do pessimismo antropológico, esplende sobretudo em momentos de crise. Porque é nesses momentos que o modelo se torna inatacável: «Eu não avisei?»; «É meramente mais do mesmo»; «Ele pode vir com grandes ideias e cheio de gás, mas a realidade vai fazer-lhe o que fez a todos os anteriores»; etc.
- Percebo. E percebo ainda melhor por que razão VPV parece estar sempre no mesmo sítio e ter sempre razão contra as ilusões de movimento. Um eleata…
- Sim, mas não apenas. Também um plagiador.
- Isso é acusação grave, Sr. Groucho!
- Nada, mesmo. Porque o objecto do plágio acaba por ser ele mesmo. Logo, a pendência é doméstica.
- Explique-se.
- Simples: como o país patina eternamente e não vai além do Copy-Paste, VPV, como bom analista, não pode ir além do Copy-Paste. Está condenado, por razões de ordem ontológica e ética, a repisar o que sempre disse e a declinar, sob novos nomes e vocabulário ligeiramente diverso (CEE antes, hoje UE; Guterres antes, agora Sócrates…), as análises, os sarcasmos ecianos, os tropos fulgurantes e arrasadores que lhe conhecemos há décadas.
- Ou seja, a imobilidade do país coincide expressivamente com a imobilidade do cronista.
- Isso mesmo. Mais decisivamente: coincide com ele nos momentos críticos, aqueles momentos em que as razões dele se transformam na Razão da História. Não sei se já reparou, mas quando as coisas correm melhor, a estrela de VPV empalidece. Torna-se dispensável. Inversamente, quando correm mal, ele parece ir lá muito à frente de todos nós. Antecipou a coisa já há décadas...
- O senhor quase que transforma o VPV numa fenomenologia do espírito…
- Por mim, pode retirar o «quase».
- Mas o analista não devia estar mais próximo do bicho que levanta voo ao entardecer - a coruja da História -, do que dessa coincidência com o Espírito do Mundo?
- Talvez. Mas desconfio que andámos a vê-lo mal ao longo destes anos. Ele não é bem um analista, sabe?
- Ai não? Então quem é? Quem é que ele lhe faz recordar?
- Sabe quem? O Gonçalo Mendes Ramires, da Ilustre Casa… Aquele que o narrador, ou melhor, alguém por ele, no fim – num daqueles fins em que a pedagogia vitima a arte –, diz «ser» Portugal.
- Então o Copy-Paste…
- Torna-se geral e reversível, no modelo do anel de Moebius: só por ilusão há de um lado Portugal e do outro VPV. Na verdade, passa-se de um ao outro sem solução de continuidade, sem sequer metalepse, como na literatura fantástica. O analista não sai do filme para tomar uma amarga cerveja connosco: ele é o filme, o filme é ele. O nome do filme é…
- …Copy-Paste…
- …Portugal.

[A partir de uma ideia de Manuela Almeida]

no Casmurro (where else?)

6ª feira à noite de assalto à vista



Não pretendo vir para aqui enaltecer o Luiz Pacheco, as qualidades da escrita, a ductilidade e desenvoltura do estilo (singular, superlativo), as técnicas do discurso, várias, a forma desassombrada como ri das conveniências, como expõe opiniões, espirituoso, mordente, com horror do medíocre e ódio ao aborrecido, a ironia lançada à queima-roupa contra a paz cínica em que vivia vive o nosso meio literário. Contra o elogio fácil, o elogio mútuo, o trabalho de lamber de botas.
É o que o talento do escritor Luiz José Machado Gomes Guerreiro Pacheco salta aos olhos. Basta lê-lo. Bom será, bom seria, que o lêssemos.

[Águia solitária, prefácio de João Pedro George a Figuras, Figurantes e Figurões, de Luiz Pacheco (O Independente), pág. 7]

Um documentário excelente, com um humor raramente visto em televisão e uma ousadia ainda mais incomum, dedicado à vida e à obra de Luiz Pacheco, estreia-se no dia 22, na 2:, às 22.30.
[Luiz Pacheco retratado com humor e ousadia, Madalena Esteves, DN]

Luiz Pacheco – Mais Um Dia De Noite*, de António José de Almeida. Quem faltar à chamada vai pró céu!

* antecipando a edição de Diário Remendado, na Dom Quixote.

Avisam-se os leitores mais impressionáveis e todos quantos têm por hábito visitar este blogue na companhia de terceiros (de quartos, de quintos...), que a entrada imediatamente abaixo apresenta um nu integral oriental para o qual não foi obtida qualquer autorização e cuja protagonista – uma jovem asiática moderna a viver nos Estados Unidos: Lucky, 22 anos – ostenta um conjunto de piercings a que nunca ousaria pensar poder juntar a classificação de obra de arte. Para que conste, são dois nos mamilos, um no umbigo com pendurante e os restantes no clítoris e nos pequenos lábios.

Prossigam por vossa conta e risco.

Cumprimentos,

Ricardo Gross

Detector de mentiras



Esta mulher não existe.

Instruções: caso a imagem não surja, esplendorosa, clicar no botão direito do rato (sobre o frame onde supostamente devia estar a imagem), copiar o endereço das propriedades para endereço da barra de ferramentas, clicar enter até aparecer a imagem e depois ir a retroceder na barra de ferramentas para que a mesma seja integrada na moldura do blogue.

segunda-feira, julho 18, 2005

Droláticos e sproutianos


Prefab Sprout

'Til The Cows Come Home

Aren't you a skinny kid - just like his poppa
Where's he workin' - he's not workin'
Thin as the smile I wear
Cold as the beaches you comb
'Til the cows come home

Tell the truth again - tell the truth again
Near to the knuckle, near to the knuckle
Why're you laughin' - you call that laughing'
Wearing your death's head grin - even the fishes are thin
When the boat comes in

Things are better now - things are better now
We've education
I doff my cap to a life that lets you
Dream a poor man's dream
But he can't have his coffee with cream
'Til the cows come home
(musiquinha menos conhecida que pode ser ouvida neste e nestoutro)

Citação grata e até gratuita para o ABB do Casmurro que nos tem mimado com as pilhérias desconcertantes de Groucho Marx. Venham mais!

Mapplecock


[Formal Cock, por Robert Mapplethorpe, 1986] D.R.

É no que dá quando me puxam pelo browser...

domingo, julho 17, 2005

Lusco-fusco

O jornalista da SIC que comentava o Benfica-Chelsea referiu-se às primeiras prestações do russo Karyaka no emblema da Luz, dizendo tratar-se de um jogador que surgia por períodos de 5 a 7 minutos para depois desaparecer do jogo. Em compensação Beto encheu o campo durante 82 minutos, afirmando-se como o grande reforço dos lampiões para a época de 2005/2006. E se aquele tiro entrasse...

Rectângulo das Bermudas



Nunca antes tinha eu visto uma mulher jovem, elegante, bronzeada e completamente nua na praia. Os naturistas que predominam no Meco são sobretudo gente obesa e bem disposta. Hoje a figura despida era de rara beleza. Já mãe ou então irmã mais velha. Bela e indiferente. Sobretudo porque se movimentava com total desinibição, mostrando a relação saudável que tinha com o corpo. Que aparentava só a si dizer respeito.

Baby suicida


Eastwood aterrorizado: quem diria...

Play Misty for me, Destinos nas trevas, thriller hitchcockiano, é do mesmo ano do primeiro Dirty Harry (1971), mas se o personagem interpretado por Clint Eastwood - na sua estreia enquanto realizador - se chamasse Harry Callahan em vez de Dave Garland, Play Misty... seria uma curta e não longa-metragem. E aquele murro fatal que atira com (A) psicopata falésia abaixo, teria sido substituído pela bala certeira da Magnum 44, disparada pelo menos uma hora de filme antes. Go ahead bitch, make my day!

Curiosidade(s): Play Misty for me tem por cenário a cidade costeira de Carmel, onde Eastwood vive ainda e da qual chegou a ser presidente da Câmara.
O realizador de Dirty Harry, o grande Don Siegel, surge num pequeno papel a apadrinhar a estreia do seu discípulo e amigo. É ele o barman que vemos no início do filme, Murphy de sua graça.

Classificação: 7/10

sábado, julho 16, 2005

Vendedores de sonhos



Fez as manchetes de todos os diários desportivos, toda a semana: Jon Dahl Tomasson vinha para o Benfica. Um galáctico cujas qualidades pude observar pormenorizadamente ao longo do Euro 2004. O "matador" dinamarquês seria apresentado durante o jogo de amanhã com o Chelsea, na Luz. Entretanto, o Estugarda ameaçava levar(-nos) Liedson com proposta irrecusável. Uma pirueta inesperada confirma hoje Tomasson no Estugarda, com os encarnados a ver navios e nós verdes a alimentarmos a esperança de manter o "levezinho" por mais uma época a chapa 20. Antes assim!

2,99€

Rosecreek Cabernet Sauvignon 2003
No Lidl - garrafeira "alternativa"- a descoberta de um vinho invulgarmente suave com uma invulgar relação qualidade/ preço. Australiano.

Joe estreia


Joe Dallesandro na capa do primeiro The Smiths

Belezas sobrepostas. Beleza sobre pistas.

Je t'aime...


69 ano erótico



A canção Je t'aime... moi non plus conheceu um primeiro dueto, em 1967, interpretado por Serge Gainsbourg e Brigitte Bardot. A pedido da actriz, a gravação não foi difundida até 1986. A segunda versão, interpretada por Jane Birkin, saiu em Fevereiro de 1969 para se tornar um êxito mundial. Diz-se que um dos biógrafos de Gainsbourg considera a versão de Bardot demasiado lasciva - que ela aparenta demasiada experiência na canção. A voz de Jane Birkin dá a impressão de provir de uma mulher mais ingénua e virginal, daí o seu maior erotismo.

sexta-feira, julho 15, 2005

Guiné 1969



... tu vas et tu viens...

quinta-feira, julho 14, 2005

A bíblia


de serge gainsbourg à gainsbarre 3CD 1958/1987

Aqui defende-se a liberdade de professar a religião que eu quiser.

Se me deixares ver o teu "chopin", eu mostro-te o meu...



Lemon Incest

Inceste de citron
Lemon incest
Je t'aime t'aime je t'aime plus que tout
Papapappa
Naïve comme une toile du Nierdoi Sseaurou
Tes baisers sont si doux
Inceste de citron
Lemon incest
Je t'aime t'aime je t'aime plus que tout
Papapappa

L'amour que nous n'f'rons jamais ensemble
Est le plus beau le plus violent
Le plus pur le plus enivrant
Exquise esquisse
Délicieuse enfant
Ma chair et mon sang
Oh mon bébé mon âme

L'amour que nous n'f'rons jamais ensemble
Est le plus beau le plus violent
Le plus pur le plus enivrant
Exquise esquisse
Délicieuse enfant
Ma chair et mon sang
Oh mon bébé mon âme

Inceste de citron
Lemon incest
Je t'aime t'aime je t'aime plus que tout
Papapappa

Em 1984, Serge Gainsbourg gravou dueto com a filha Charlotte que é uma obra-prima do kitsch pedófilo impudico implícito. O videoclip, digo-vos, não lhe fica atrás... Nos dias de hoje, Lemon inceste suscitaria maior escândalo de tal modo andam atormentadas as nossas santas consciências. A música resulta de uma colagem ao Estudo Nº 3 em si maior, opus 10, de Frédéric Chopin, com umas batidas farçolas metidas pelo meio. É magnífico! É tudo aquilo a que a música pop devia aspirar. Abençoado maldito foste Serge Gainsbourg.

Justiça


Charlotte Gainsbourg, filha de Serge G. e de Jane Birkin.

A beleza acaba, mas a beleza também se renova.

Crueldade


Jane Birkin (antes)


Jane Birkin (depois)

Até ao fim



"La laideur a ceci superieur à la beauté, c'est qu'elle dure"* (Gainsbourg)

* A vantagem da fealdade sobre a beleza é a de que dura

Depois da misoginia e da misantropia resta o romantismo


Serge Gainsbourg: génial!

Je Suis Venu Te Dire Que Je M'en Vais

Je suis venu te dire que je m'en vais
Et tes larmes n'y pourront rien changer
Comm' dit si bien Verlaine au vent mauvais
Je suis venu te dire que je m'en vais
Tu t'souviens de jours anciens et tu pleures
Tu suffoques, tu blêmis à présent qu'a sonné l'heure
Des adieux à jamais
Ouais je suis au regret
D'te dire que je m'en vais
Oui je t'aimais, oui mais
Je suis venu te dire que je m'en vais
Tes sanglots longs n'y pourront rien changer
Comm'dit si bien Verlaine au vent mauvais
Je suis venu te dire ue je m'en vais
Tu t'souviens des jours heureux et tu pleures
Tu sanglotes, tu gémis à présent qu'a sonné l'heure
Ouais je suis au regret
D'te dire que je m'en vais
Car tu m'en as trop fait.
Je suis venu te dire que je m'en vais
Et tes larmes n'y pourront rien changer
Comm' dit si bien Verlaine au vent mauvais
Je suis venu te dire que je m'en vais
Tu t'souviens de jours anciens et tu pleures
Tu suffoques, tu blêmis à présent qu'a sonné l'heure
Des adieux à jamais
Ouais je suis au regret
D'te dire que je m'en vais
Oui je t'aimais, oui mais
Je suis venu te dire que je m'en vais
Tes sanglots longs n'y pourront rien changer
Comm'dit si bien Verlaine au vent mauvais
Je suis venu te dire que je m'en vais
Tu t'souviens des jours heureux et tu pleures
Tu sanglotes, tu gémis à présent qu'a sonné l'heure
Ouais je suis au regret
D'te dire que je m'en vais
Car tu m'en as trop fait.

quarta-feira, julho 13, 2005

Vamos ver o que vai acontecer

Paulo de Andrade (administrador da SAD) responde à tomada de posição do presidente do Braga. A história não é de todo convincente. Ou estes senhores não sabem lidar com a imprensa, ou são demasiadas as hesitações. Fica a resposta. E por aqui me fico (ai o centenário, o centenário...).

Padres bons só havia um



True confessions, A absolvição foi realizado por Ulu Grosbard em 1981. O filme é recordado sobretudo por ter colocado frente-a-frente, interpretando dois irmãos, os maiores actores das décadas de 70 e 80: Robert DeNiro (no papel de padre) e Robert Duvall (no papel de polícia). True confessions, A absolvição é um filme onde todos são culpados. A igreja trafica influências com os construtores civis. Estes envolvem-se no negócio da prostituição e da pornografia, e quem não tira dividendos directos é conivente à distância. No interior desta teia corruptora existe a figura secundaríssima do velho monsenhor Seamus Fargo (Burguess Meredith), único elemento que se evade dos compromissos sujos da vida mundana da Los Angeles dos finais da década de 40, para se ocupar do jardim e para tentar viver discretamente de acordo com os valores impolutos da doutrina.
Mas True confessions, A absolvição é acima de tudo um filme comovente. A história de dois irmãos que embora admirando-se à distância, só conseguem reconciliar-se no fim da vida.

Classificação: (7/10)

Mas o que é isto meus senhores?


terça-feira, julho 12, 2005

Máquinas (en)gripadas



A Guerra dos Mundos, refeita por Spielberg, melhor faria se dispensasse a historieta e os diálogos. É um desafio para o espectador exigente procurar alhear-se do que o filme tem de supérfluo. Há planos magníficos (puras abstrações sci-fi), movimentos de câmara de intencionalidade espectacular e o som dá provas de ser das variáveis mais determinantes – se não mesmo o elemento principal – para aterrorizar os incautos da sala escura. Mas a alegoria resiste quanto muito à primeira meia-hora: terroristas com três pernas; nazis de corpo gelatinoso são metáforas gastas que não disfarçam as debilidades de um argumento que resulta em mero acumular de situações de perigo iminente mais e mais forçadas.
A família de Cruise serve de caricatura popularucha de serviço: pai imaturo (o nosso Tom, intocado na sua disponibilidade física!), filho impulsivo, filha histérica – e como a criança berra sem que nenhuma das máquinas alienígenas ponha fim ao nosso tormento, desintegrando-a em fuligem... O final deste A Guerra dos Mundos, para quem não vai avisado, é quase anedótico. Após terem dizimado parte considerável da espécie norte-americana, as gigantecas máquinas são acometidas de virose e dão em gripar. Os humanos acabam salvos e vingados na sua pequenez por organismos ainda mais microscópicos que nós.

Classificação: (5/10)

Common ressuscitado



O homem está de regresso aos discos de que a malta gosta. Bye-bye guitarras. Adeus Electric circus de fraca memória. Hip Hop rules again! Ya dig it?

A percentagem é a prova

Quantas pessoas que trabalham atrás de um balcão a vender música ou literatura gostam realmente de discos e de livros? Ainda existirão pessoas assim? Poucas, muito poucas. A prova não serve de generalização mas sim de prova para o que me interessa provar. Hoje aconteceu-me passar no El corte inglés e mais tarde pela Bertrand do Picoas Plaza. No primeiro sítio procurei o DVD-duplo de Serge Gainsbourg que o funcionário parecia desconhecer. O funcionário foi diligente, verificou no computador as existências, procurou no expositor... e lá estava o DVD. Informou-me em seguida de que se eu comprasse mais um DVD musical ou um CD que não estivesse em promoção, beneficiaria de um desconto de 10% nos dois artigos. Pedi-lhe o novo Common, Be; olhou-me perplexo, indiquei Hip Hop, voltámos ao PC, à tulha, e lá estava o CD. Saí satisfeito, está bom de ouver...
Já na Bertrand a experiência foi distinta. Horas tardias, funcionários encostados ao balcão não fosse este tombar de cansaço, e um chato que se aproximava perguntando pelos livros do Curso Breve de Literatura Brasileira da Cotovia. Informaram-me, com ar de quem não faz peva do que está a falar, que não tinham recebido ainda as novidades da mesma editora. Traídos de seguida pela pergunta que revela fatal ignorância: mas quando é que os livros saíram? Esclareço que a minha proposta não é a de provar quem sabe mais ou sabe menos, mas sim quem é melhor profissional. E o profissionalismo dos funcionários do El corte inglés tem explicação muito simples. Eles recebem comissões pelas vendas, factor aliciante que devia ser política de todas as casas comerciais. Todas. O gosto pela música e pela literatura não é para aqui chamado.

Auberon Waugh



HATE LISTS
[in "Closing the Circle – The Best of Way of the World", pág. 248]

Jolyon Connell, founder and editor of The Week, which summarises everything worth reading in the press, approached me at a party on Wednesday and asked for my list of 100 top novels of this century.
I groaned. Have people not read enough of these bogus lists? In any case, we now learn that reading is out of fashion. Although only three schools refused point blank to accept a free gift of all the classics, handsomely bound by Everyman and worth £2,500, many if not most of them were resentful of the offer and grudging in their acceptance. They did not want children to be bothered with books.
Against this we have hundreds of adults solemnly assuring us that the best book written this century is James Joyce’s Ulysses, a book which is so incomprehensible as to be effectively meaningless. I told Connell he should ask people for a list of books to be avoided.
Here is mine: first and second, Ulysses and Finnegans Wake by James Joyce. If people must try Joyce, they should read Portrait of the Artist when they are 16, the throw it away. Next, children should be discouraged from reading J. R. R. Tolkien’s Lord of the Rings and The Hobbit. This is because the whimsy prepares its readers for nothing beyond the grosser stupidities of Disney and advertising cartoons. Finally, I would put an absolute ban on A. A. Milne’s disgusting Winnie the Pooh.
Children tempted by Tolkien should be encouraged towards Alice in Wonderland and Through the Looking Glass. Those hankering after Winnie the Pooh should be redirected towards Beatrix Potter. If Connell would like to extract these reflections for his brilliant magazine, he is free to do so.


25 July 1998


Arquivos

Novembro 2003 . Dezembro 2003 . Janeiro 2004 . Fevereiro 2004 . Março 2004 . Abril 2004 . Maio 2004 . Junho 2004 . Julho 2004 . Agosto 2004 . Setembro 2004 . Outubro 2004 . Novembro 2004 . Dezembro 2004 . Janeiro 2005 . Fevereiro 2005 . Março 2005 . Abril 2005 . Maio 2005 . Junho 2005 . Julho 2005 . Agosto 2005 . Setembro 2005 . Outubro 2005 . Novembro 2005 . Dezembro 2005 . Janeiro 2006 . Fevereiro 2006 . Março 2006 . Abril 2006 . Maio 2006 .



Lugares

ABC . Alexandre Soares Silva . Aos 35 . Aranhas, As . Atlântico . Avatares de um Desejo . Bomba Inteligente . Caravaggio Montecarlo . Casa Encantada, A . Contra a Corrente . Da Literatura . Deus me livre de ter um blogue! . E Deus Criou a Mulher . Educação Sentimental . Esplanar . Estado Civil . Homem a Dias . Invenção de Morel, A . Jazz e Arredores . Lugar Comum . Manchas . Memória Inventada, A . Mundo Perfeito, O . Origem das Espécies, A . Papagaio Morto . Porque . Praia, A . Regresso a Veneza, O . Rua da Judiaria . Seta Despedida . Sexta Coluna, A . Sound + Vision . Tradução Simultânea . Tristes Tópicos . Vício de Forma . Vidro Duplo . Voz do Deserto .




Powered by Blogger